Rio de Janeiro Governo do RJ é condenado a pagar R$ 4,9 mi à família de Patrícia Acioli

Governo do RJ é condenado a pagar R$ 4,9 mi à família de Patrícia Acioli

Juíza foi morta em 2011 por um grupo de PMs, em Niterói, região metropolitana. Indenização será dividia entre filhos da vítima, irmãs e mãe

TJ-RJ condena Governo do Rio a pagar R$ 4,9 mi à família de juíza morta

Patrícia Acioli foi morta em casa em agosto de 2011

Patrícia Acioli foi morta em casa em agosto de 2011

Reprodução / Rede Record

O TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) condenou o Governo do Rio de Janeiro a pagar R$ 4,9 milhões aos familiares da juíza Patrícia Acioli, morta em 2011 por um grupo de policiais militares. A magistrada foi assassinada em frente a sua casa, no bairro de Piratininga, em Niterói, região metropolitana.

Policial civil é alvo em operação contra jogo do bicho no Rio

A sentença da Justiça determina que a mãe de Patrícia e seus três filhos recebam, cada, R$ 1 milhão, além de suas duas irmãs, indenizadas no valor de R$ 450 mil.

Segundo informações da Record TV Rio, a decisão também aponta que os filhos da magistrada recebam uma pensão desde o ano do assassinato até o ano em que completem 24 anos.

O Governo do Rio ainda deverá reembolsar a família de Patrícia em relação às despesas processuais da ação.

O R7 procurou a PGE-RJ (Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro) para se pronunciar sobre a decisão do TJ-RJ, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Caso

Patrícia foi morta por dois homens em agosto de 2011 com 21 tiros. Os 11 policiais militares do 7º BPM (São Gonçalo) apontados como mandantes e executores da magistrada, entre eles o então comandante do batalhão, tenente-coronel Claudio Luiz Oliveira, foram julgados culpado pela sua morte.

Patrícia Acioli foi morta nos mesmos moldes de Marielle Franco

A juíza ficou conhecida por condenar cerca de 60 militares do 7º BPM por envolvimento com milícias e grupos de extermínio durante sua atuação na região de São Gonçalo.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa