Rio de Janeiro Jeff Machado: Com expectativa para interrogatório dos réus, audiência é retomada nesta sexta (26)

Jeff Machado: Com expectativa para interrogatório dos réus, audiência é retomada nesta sexta (26)

Serão ouvidas testemunhas de acusação, entre elas um policial que participou da investigação do caso, e de defesa de um dos réus

Corpo de Jeff foi achado em baú enterrado

Corpo de Jeff foi achado em baú enterrado

Reprodução/RECORD

Com expectativa para o interrogatório dos réus, a Justiça retoma, nesta sexta-feira (26), a audiência de instrução e julgamento do assassinato do ator Jeff Machado, na 1ª Vara Criminal da Capital, no centro do Rio de Janeiro, a partir das 13h. 

Para o início da sessão, estão previstos os depoimentos de testemunhas de acusação, entre elas um policial que participou da investigação do caso, e de defesa de um dos réus.
 

A etapa seguinte seria a oitiva dos acusados, Bruno de Souza Rodrigues e Jeander Vinicius da Silva Braga, que estão presos preventivamente (sem prazo).

Logo em seguida, a Justiça deve decidir se o caso irá a júri popular.

Investigação

O produtor Bruno de Souza Rodrigues e o garoto de programa Jeander Vinicius da Silva Braga foram denunciados pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, estelionato e crimes patrimoniais.

Segundo as investigações, Bruno Rodrigues — que se dizia amigo da vítima — drogou e matou Jeff Machado por estrangulamento, com a ajuda de Jeander da Silva Braga, na casa do ator, no Rio, em janeiro de 2023.

Cerca de quatro meses depois, o corpo da vítima foi encontrado em um baú enterrado no piso de um imóvel que havia sido alugado por Bruno, em Guaratiba, na zona oeste da capital.

A polícia concluiu que a motivação do crime teria sido financeira, porque o ator pagou R$ 18 mil a Bruno, que lhe fez uma falsa promessa de ajuda com um papel na TV.

Depoimentos anteriores

O inspetor Igor Rodrigues Bello, que participou das investigações do caso, afirmou que o crime foi premeditado.

Uma das situações que chamaram a atenção da polícia foi uma obra, realizada antes do crime, para levantar o muro da casa onde o corpo do ator foi encontrado. 

Além disso, o inspetor citou que, o acusado Bruno procurou uma revendedora de carros para oferecer o carro de um amigo, antes da data da morte. 

Após o assassinato, Bruno chegou a voltar com o veículo de Jeff, mas não conseguiu dar continuidade ao negócio por não ter a documentação. 

Mãe da vítima, Maria das Dores, que pediu para não falar na presença dos réus, contou que outra pessoa se passou pelo filho, em troca de mensagens, quando ele já estava desaparecido. 

Ela também confirmou ter feito transferências de dinheiro para Jeff, que seriam destinadas ao Bruno, visando o suposto trabalho na TV.

Durante a investigação do desaparecimento do ator, Bruno chegou a dizer que Jeff havia conseguido uma chance em São Paulo e havia deixado as chaves do carro e da casa para que fossem vendidos.   

Últimas