Julgamento de PMs por morte de engenheira em 2008 é remarcado

De acordo com o MP, Patrícia Amieiro voltava de uma festa quando teve o carro alvejado na Barra de Tijuca. Seu corpo nunca foi encontrado

Reprodução

O julgamento dos policiais militares acusados pela morte da engenheira Patrícia Amieiro, em 14 de junho de 2008, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, foi remarcado para o próximo dia 9. 

Leia mais: Duas crianças morrem após incêndio em Angra dos Reis

A audiência já foi adiada duas vezes este ano. A primeira, em 5 de setembro, porque o advogado dos réus não compareceu e a segunda, no dia 26 do mesmo mês, quando o cartório intimou o advogado errado para o julgamento. 

De acordo com a denúncia do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), Patrícia voltava de uma festa na zona sul do Rio quando teve o carro atingido por tiros ao entrar na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade.

As investigações apontam que os PMs confundiram o carro da engenheira com o de suspeitos e efetuaram os disparos contra o veículo, que ficou desgovernado e bateu contra dois postes e uma mureta. Em seguida, os agentes teriam jogado o veículo no canal de Marapendi.

Ainda segundo o MP-RJ, ao constatarem o erro, os agentes alteraram a cena do crime e ocultaram o corpo. Dois agentes devem responder pelos tiros, e outros dois por fraude processual. Onze anos após o crime, o corpo de Patrícia Amieiro continua desaparecido. 

*Estagiária do R7, sob supervisão de Patrícia Junqueira