Rio de Janeiro Justiça determina que Sérgio Cabral use tornozeleira eletrônica em prisão domiciliar

Justiça determina que Sérgio Cabral use tornozeleira eletrônica em prisão domiciliar

O alvará de soltura foi expedido pela Vara Federal de Curitiba, na tarde desta segunda-feira (19), de acordo com a defesa

Sérgio Cabral usará tornozeleira eletrônica em prisão domiciliar

Sérgio Cabral usará tornozeleira eletrônica em prisão domiciliar

Valter Campanato Arquivo/ Agência Brasil

A Justiça do Paraná determinou, nesta segunda-feira (19), que o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral seja monitorado por tornozeleira eletrônica ao cumprir a prisão domiciliar na capital fluminense. O alvará de soltura foi expedido nesta tarde, de acordo com a defesa. 

Entre outras medidas, também foi estabelecido que Cabral só receba visitas de parentes até 3º grau, advogados constituídos e profissionais de saúde. O ex-governador não pode ter contato com colaboradores da Justiça ou outros investigados, em especial da operação Lava Jato.

A juíza substituta da 13ª Vara Federal de Curitiba, Gabriela Hardt, ainda determinou que a defesa informe o endereço onde ele vai ficar, com a proibição de realização de festas ou eventos, antes de autorizar a expedição do alvará de soltura.

Segundo os advogados, o político deve permanecer em um imóvel Copacabana, na zona sul do Rio. O político aguarda as pendências burocráticas para deixar o Batalhão Prisional da PM em Niterói, na região metropolitana, após seis anos preso. 

Na última sexta (16), a Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu pela revogação da prisão preventiva que ainda mantinha o ex-governador atrás das grades, por entender que o prazo já havia se excedido.

Acusado de corrupção e recebimento de propina, o político estava na cadeia desde 2016 e já havia sido condenado em processos ligados à operação Lava Jato, cujas penas somadas ultrapassam 400 anos de prisão.

Posicionamento da defesa

O alvará de soltura já foi expedido para que o ex-governador  Sérgio Cabral cumpra a prisão domiciliar. A defesa representada pelos advogados Daniel Bialski, Bruno Borragine, Patrícia Proetti e Anna Julia Menezes ressalta que o ex-governador respeitará todas as determinações estabelecidas pela Justiça e que, neste momento, Cabral não se manifestará à imprensa, pois o seu maior desejo é estar na companhia de sua família.

Últimas