Rio de Janeiro Morte de garçom: grupo diferencia guarda-chuva de fuzil em meme

Morte de garçom: grupo diferencia guarda-chuva de fuzil em meme

Polícia apreendeu armas de agentes que participaram de ação que matou Rodrigo Alexandre, de 26 anos, no morro Chapéu Mangueira

morte garçom

Grupo fez meme comparando fuzil com guarda-chuva

Grupo fez meme comparando fuzil com guarda-chuva

Reprodução/Coletivo Papo Reto

O Coletivo Papo Reto divulgou, em suas redes sociais, uma imagem diferenciando um guarda-chuva de um fuzil, após a morte do garçom Rodrigo Alexandre da Silva Serrano, de 26 anos. Ele foi atingido por tiros enquanto esperava a mulher em um bar da comunidade Chapéu Mangueira, no Leme, zona sul do Rio de Janeiro, na segunda-feira (17).

Segundo moradores, Rodrigo foi baleado por policiais que teriam confundido o guarda-chuva que ele segurava com um fuzil. Na imagem divulgada nas redes do coletivo, eles comparam o objetivo com um fuzil e pede para que marquem com um ‘x’ a arma.

A assessoria da Polícia Militar informou que houve breve confronto com traficantes da região e, após o cessar fogo, dois homens foram encontrados feridos e levados até o hospital. Ainda de acordo com a PM, o homem que morreu possuía anotações criminais por roubo e tráfico de drogas. A nota ainda destacou que foi encontrado um rádio comunicador junto dos dois feridos.

Garçom esperava a mulher quando foi morto

Garçom esperava a mulher quando foi morto

Márcio Mercante/Agência O Dia

Em nota, a Associação de Amigos do Chapéu Mangueira lamentou a morte do morador da comunidade e chamou a ação de “brutal” e “covarde”. Ainda em pronunciamento, a Associação convocou os moradores do Chapéu Mangueira para uma manifestação, nesta terça-feira (18).

O corpo de Rodrigo foi enterrado nesta quarta-feira (19), no cemitério de Irajá, zona norte. O jovem deixa um filho de 7 anos e outro de 10 meses, além da esposa, com quem era casado havia sete anos. O caso foi registrado na 12ª DP (Copacabana), que recolheu as armas dos PMs para realizar perícia, e está sendo acopanhado pela Corregedoria da Polícia Militar.