MP-RJ cumpre mandados contra prefeito de Paulo de Frontin

Investigações apontam que gestão de Jauldo Neto teria contratos com amigo para fornecimento de combustíveis para a prefeitura com superfaturamento

Jauldo Neto foi eleito à prefeitura em 2016

Jauldo Neto foi eleito à prefeitura em 2016

Reprodução/Rede Sociais

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) cumpre nesta terça-feira (21) mandados de busca e apreensão contra suspeitos de participarem de fraude em uma licitação para fornecimento de combustíveis à Prefeitura de Engenheiro Paulo de Frontin, cidade próxima ao sul fluminense. As investigações apontam que o prefeito do município, Jauldo Neto (PHS), tem participação ativa no esquema.

Fundação irá pagar funcionários dos hospitais de campanha no Rio

Batizada de Pharus, a ação indica que Jauldo teria dispensado uma licitação no início do mandato e feito de forma emergencial a contratação do posto Farol de Chafre para o fornecimento de combustível à prefeitura. O acordo de R$ 1.081.400,00 pelo período de 12 meses, segundo as investigações, tem superfaturamento superior a R$ 70 mil.

As ações do MP-RJ ainda revelaram que Jauldo seria amigo do proprietário do posto Farol de Chafre, que teria recebido em 2017 mais R$ 171.895,73 por meio de um TAC (Termo de Ajuste de Contas), apesar de não ter contrato anterior firmado com a Prefeitura de Engenheiro de Frontin.

Segundo o MP-RJ, o contrato emergencial e o TAC foram formas que o prefeito encontrou para repassar valores ao proprietário do posto Farol de Chafre, que teria fornecido combustível para a campanha de Jauldo, em 2016. O órgão acredita que os esquemas de favorecimento ao posto continuem ocorrendo até os dias atuais.

Em nota, o MP-RJ informou que os suspeitos podem ser denunciados por fraude em licitação, peculato e lavagem de dinheiro. O órgão continua cumprindo mandados de prisão em Barra do Piraí, Barra Mansa, Mendes, Miguel Pereira e Nova Iguaçu, além de Engenheiro Paulo de Frontin.

Polícia prende condenado por aplicar golpes contra idosos no Rio

O R7 procurou a Prefeitura de Engenheiro Paulo de Frontin para se manifestar sobre os casos, mas não obteve resposta até a publicação desta nota. O portal mantém o espaço aberto para a manifestação dos citados.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ingrid Alfaya