Rio de Janeiro MP-RJ reafirma que imagens da cela de Garotinho foram manipuladas

MP-RJ reafirma que imagens da cela de Garotinho foram manipuladas

TJ-RJ divulgou estudo, na quarta-feira (7), que contradiz investigação do Ministério Público; Garotinho afirma ter sido agredido em cadeia de Benfica 

  • Rio de Janeiro | Mariana Pepe, do R7*

Garotinho alega ter sido agredido quando estava em Benfica

Garotinho alega ter sido agredido quando estava em Benfica

Reprodução / Record TV Rio

O MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) divulgou uma nota oficial, nesta sexta-feira (9), em que reafirma que houve manipulação nas gravações das câmeras de segurança do presídio onde o ex-governador Anthony Garotinho disse ter sido agredido em novembro de 2017.

A promotoria se manifestou após o TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro) apresentar, na quarta-feira (7), um laudo do setor de segurança eletrônica em que os peritos dizem não poder confirmar que houve manipulação nas imagens.

O estudo do TJ contradiz a investigação feita pelo Ministério Público, em janeiro, que afirma que, na noite da suposta agressão, três câmeras da cadeia foram desligadas e uma teve a imagem congelada.

De acordo com a Dedit (Divisão de Evidências Digitais e Tecnologia), do MP, o laudo do TJ-RJ é descritivo e não demonstra como as conclusões foram obtidas.

"O laudo elaborado pelo Setor de Segurança Eletrônica do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro admite a falta de recursos disponíveis para uma análise mais precisa do evento e o seu resultado inconclusivo não invalida ou contradiz as conclusões apresentadas pelos técnicos periciais da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI)/Dedit", afirma o documento.

O laudo do MP-RJ foi produzido após o exame criterioso de 269 arquivos armazenados em 16 pastas.

"Nosso laudo demonstra, sem sombra de dúvidas, que, por volta das 23h, houve um desligamento do sistema de câmeras que foi religado à 1h36. Há provas de que foi religado por ação humana e não por defeito. Nosso estudo não pode afirmar que houve nem que não houve agressão a Anthony Garotinho. O que o laudo do MPRJ afirma é que as câmeras foram desligadas naquele dia por ação humana", esclareceu a promotora Elisa Fraga.

Agressão Garotinho

No período em que esteve preso na Cadeia de Benfica, em novembro do ano passado, o ex-governador informou que foi agredido no joelho, por um agente penitenciário, com um taco de beisebol. Após a agressão, o ex-governador chegou a ser atendido pelo ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes, preso na mesma unidade.

Devido a essa suposta agressão, Garotinho foi transferido para o Presídio Bangu 8, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste do Rio, onde passou por exames para comprovar as agressões e prestou depoimento à Polícia Civil do Rio para relatar o que teria ocorrido. Na ocasião, ele ainda chegou a fazer um retrato falado do suposto agressor.

Em nota, a Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária) afirmou que não encontrou provas da agressão alegada pelo ex-governador.

Desdobramentos

A denúncia de Garotinho causou uma revista do Ministério Público na cadeia de Benfica. Na vistoria, promotores encontraram alimentos importados e outras mercadorias irregulares na ala onde o também ex-governador do Rio Sérgio Cabral estava preso. Entre os produtos estavam iogurtes, alimentos importados, queijos, castanhas, frios, cafeteira, eletrônicos e outras mercadorias não permitidas pela Seap.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas