Rio de Janeiro 'Mulher trabalhadora está morta por despreparo policial', diz familiar de baleada no Alemão

'Mulher trabalhadora está morta por despreparo policial', diz familiar de baleada no Alemão

Letícia Marinho Salles, de 50 anos, foi baleada por PM enquanto estava parada em um sinal dentro de carro, segundo parentes

  • Rio de Janeiro | Da Agência Brasil, com R7

Operação no Complexo do Alemão já deixou ao menos quatro mortos

Operação no Complexo do Alemão já deixou ao menos quatro mortos

JOSE LUCENA/THENEWS2/ESTADÃO CONTEÚDO - 21/07/2022

Uma mulher identificada como Letícia Marinho Salles, de 50 anos, morreu em consequência do confronto entre policiais e criminosos durante uma operação integrada das polícias Militar e Civil no Conjunto de Favelas do Alemão, na zona norte do Rio, na manhã desta quinta-feira (21). Segundo parentes que a acompanhavam, o carro em que estavam foi alvejado por um policial. No momento do disparo, o veículo estava parado em um sinal de trânsito após ter saído da comunidade.

O namorado de Letícia, Denilson, relatou que, depois de atingida, ela se curvou na direção dele, que estava ao seu lado. Jaime Eduardo, primo de Denilson, foi ferido de raspão no pescoço. A família levou Letícia para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Alemão, mas ela não resistiu.

“Deram um tiro em uma mulher trabalhadora que está morta por um despreparo policial”, disse Jaime Eduardo em um vídeo publicado nas redes sociais do jornal comunitário Voz das Comunidades.

“E agora o que vai falar para a família, que está lá dentro chorando? O que vou falar para a filha, que está lá chorando? O que vou dizer para o neto, que está lá chorando?", completou Jaime.

O porta-voz da Polícia Militar, tenente-coronel Ivan Blaz, informou que o caso está sendo apurado pela Delegacia de Homicídios. “A PM vai contribuir em tudo que for necessário para elucidar esse caso”, disse à Agência Brasil.

Além da mulher, dois suspeitos e um policial militar morreram na operação na comunidade. Em nota, a Secretaria de Estado de Polícia Militar lamentou a morte do cabo Bruno de Paula Costa, ocorrida na manhã de hoje.

“O policial militar estava trabalhando e ficou ferido quando a base da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) Nova Brasília foi atacada por criminosos em retaliação à operação que acontece no Complexo do Alemão, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro. Ele foi levado para o Hospital Estadual Getulio Vargas, no entanto não resistiu ao ferimento”, informou.

Segundo a secretaria, o cabo tinha 38 anos de idade e ingressou na corporação em 2014. Bruno de Paula era casado e deixou dois filhos, portadores do espectro autista. “Até o momento, não temos confirmação de horário e local do sepultamento.”

Em protesto contra a operação, vários motoqueiros fizeram uma manifestação em uma das entradas do Conjunto de Favelas do Alemão. A passagem deles foi barrada por policiais armados.

Morro do Alemão tem invasão com blindados e feridos carregados por cobertores:

Unidades de saúde fechadas

Ainda devido ao confronto no Alemão, conforme a SMS (Secretaria Municipal de Saúde), as clínicas da Família Zilda Arns e Rodrigo Roig, instaladas na região, a Clínica da Família Ana Maria Conceição dos Santos Correia, na região do Juramento, as clínicas da Família Bibi Vogel e Herbert de Souza, a Policlínica Rodolpho Rocco e o Centro Municipal de Saúde Ariadne Lopes de Menezes, na região do Juramentinho, “acionaram o protocolo de acesso mais seguro e, para segurança de profissionais e usuários, estão com funcionamento suspenso na manhã desta quinta-feira”.

Últimas