Rio de Janeiro Nem da Rocinha é condenado a 66 anos por duplo homicídio

Nem da Rocinha é condenado a 66 anos por duplo homicídio

Pena corresponde à morte da modelo Luana Rodrigues e sua amiga Andressa de Oliveira em 2011; outro envolvido no crime recebeu pena de 30 anos

Nem da Rocinha é condenado a 66 anos

Nem da Rocinha foi preso em 2011 na mala de um carro

Nem da Rocinha foi preso em 2011 na mala de um carro

Wilton Junior/10.nov.2011/Estadão Conteúdo

Antônio Francisco Bonfim Lopes, conhecido como Nem da Rocinha, foi condenado pelo Conselho de Sentença do III Tribunal do Juri, na noite da última quarta-feira (5), a 66 anos de prisão por homicídio qualificado e ocultação de cadáver da modelo Luana Rodrigues, 20 anos, e sua amiga Andressa de Oliveira, 25 anos, em maio de 2011.

Outras três pessoas também foram julgadas pelos crimes contra Luana e Andressa. Thiago Chreu foi condenado a 30 anos e quatro meses de prisão, enquanto Anderson Mendonça e Rodrigo Belo Ferreira foram absolvidos.

Na sentença, a juíza Tula Corrêa de Mello destacou o poder que Nem da Rocinha tinha na comunidade e sobre seus comandados, além das diversas formas como o principal acusado impedia o Estado de exercer suas funções de soberania.

Nem da Rocinha e os outros citados no crime já cumprem penas por outros crimes em presídios pelo Brasil. Enquanto o ex-chefe de uma das maiores comunidades do Rio de Janeiro se encontra no presídio federal de Porto Velho, em Rondônia, região norte do país, os outros três julgados estão em reclusão no Complexo de Gericinó, em Bangu, zona oeste do Rio de Janeiro.

Entenda o caso

A modelo Luana e sua amiga Andressa foram mortas na Rocinha em 2011 pelo sumiço de uma carga de drogas do traficante Nem, segundo investigações. De acordo com a Justiça, seus corpos nunca foram encontrados.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Odair Braz Jr.

    Access log