Rio de Janeiro RJ: 'Parece que tiraram a minha alma', diz mãe de jovem espancado em assalto que teve morte cerebral

RJ: 'Parece que tiraram a minha alma', diz mãe de jovem espancado em assalto que teve morte cerebral

Leonardo Quintanilha, de 28 anos, foi cercado e agredido por criminosos que desceram de um ônibus para roubá-lo

  • Rio de Janeiro | Do R7, com Diana Rocha, da Record Rio

Leonardo Quintanilha foi agredido por criminosos

Leonardo Quintanilha foi agredido por criminosos

Record Rio

Um homem, de 28 anos, que foi cercado e espancado por assaltantes, no Rio de Janeiro, teve morte cerebral constatada, segundo familiares, no domingo (3), no sexto dia de internação no Hospital Souza Aguiar, no centro.

De acordo com as primeiras informações, Leonardo Quintanilha foi atacado por cinco criminosos que desceram de um ônibus para roubá-lo na avenida Beira-Mar, próximo ao Museu de Arte Moderna do Rio, entre os bairros do centro e da Glória.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Leonardo continuou a ser agredido no chão e ficou caído por horas antes de ser socorrido. Já os criminosos fugiram a pé com o celular e o cartão de banco dele. 

A mãe da vítima disse, em entrevista à Record Rio, que o hospital abriu, ontem, o protocolo de confirmação de morte cerebral que dura 72 horas. Segundo ela, o filho foi covardemente espancado e tem vários hematomas pelo corpo. 

Muito abalada, Renata Alves Evangelista fez um desabafo: "Não desejo isso para nem uma mãe. Parece que tiraram o meu coração, parece que tiraram a minha alma. Meu filho tem 28 anos, cheio de planos. Ele trabalhava no Aeroporto Santos Dumont e iria fazer uma prova agora. Minha filha está grávida de cinco meses, e ele estava sonhando com esse sobrinho. Só falava nisso". 

A irmã da vítima, Isabela, disse que a sensação é de estar vivendo um pesado e que a família irá lutar por justiça para Leonardo. 

"A gente nunca imagina que possa acontecer com a gente. Estamos falando porque queremos justiça. Ele nunca vai morrer para a gente. A gente quer deixar bem claro o menino atencioso, carinhoso, amoroso, estudioso e inteligente que ele é. Ele não vai ser mais um. A gente quer justiça". 

A delegacia da região informou que os policiais buscam câmeras de vigilância para tentar identificar os criminosos responsáveis pelo crime. 

Últimas