PM agride jovem após velório de Ágatha, mas alega "legítima defesa"

Gabriel Monteiro fazia uma transmissão ao vivo em uma rede social quando um rapaz o questionou sobre as mortes de inocentes em operações

Vídeo mostra agressão contra jovem

Vídeo mostra agressão contra jovem

Reprodução Facebook

Um vídeo publicado nas redes sociais mostram um policial militar agredindo um ativista após uma discussão na tarde do último domingo (22), logo depois do velório da menina Ágatha Vitória Sales Félix, de 8 anos, no entorno do cemitério de Inhaúma, na zona norte do Rio de Janeiro.

O PM Gabriel Monteiro fazia uma transmissão ao vivo em uma rede social em que falava sobre o trabalho diário da PM nas comunidades, quando um rapaz o questionou sobre as mortes de inocentes durante as operações policiais contra o tráfico de drogas.

No vídeo, gravado por um amigo do policial, o jovem, em tom exaltado, pergunta:

"Quer falar de melhorias dentro de favela? Apreende 400 fuzis e mata mil pessoas? Mata uma criança de 8 anos?"

O policial pede para o manifestante se acalmar várias vezes, mas ele segue gritando e chega xingar o agente. No entanto, ele dá um soco no rapaz e, em seguida, sai de carro do local. 

Em uma página nas redes sociais, Gabriel Monteiro afirmou que não foi ao enterro ou velório da Ágatha. Ele disse ainda que, mesmo sendo agredido verbalmente, tentou acabar com a discussão e que não se aproximou mais do rapaz.

"Se eu quisesse espancá-lo, no momento em que ele foi ao solo, teria chutado, contudo nem cheguei perto", escreveu ele. Ao publicar o vídeo completo da discussão em seu canal no YouTube, ele colocou como título: "Reagi, tive que usar legítima defesa".

Em outra publicação o policial afirmou que teve o carro apedrejado.

A reportagem tentou contato com a Polícia Militar via e-mail, mas  a corporação não se manifestou até a publicação desta nota.