Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

PF prende irmãos Brazão e ex-chefe da Polícia Civil do Rio por envolvimento na morte de Marielle

Operação Murder Inc. cumpre mandados expedidos pelo Supremo Tribunal Federal

Rio de Janeiro|Do R7


Deputado federal Chiquinho Brazão é alvo de operação
Deputado federal Chiquinho Brazão é alvo de operação Mario Agra / Câmara dos Deputados — 13.03.2024

Agentes da Polícia Federal cumprem, na manhã deste domingo (24), 12 mandados de busca e apreensão e 3 de prisão em diversos endereços do Rio de Janeiro. Entre os presos estão o deputado federal Chiquinho Brazão, do partido União Brasil, o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, Domingos Brazão, e o ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, o delegado Rivaldo Barbosa. Os mandados foram expedidos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes.

De acordo com a investigação, os presos são os autores intelectuais dos homicídios da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes. Eles também são suspeitos da tentativa de assassinato de Fernanda Chaves, assessora de Marielle.

A motivação do crime foi um embate entre Marielle Franco e Chiquinho Brazão em torno de um projeto de lei, de autoria de Brazão, que regularizava terrenos dominados pela milícia. Marielle era contra o projeto e considerada o principal ponto de resistência dentro da Câmara de Vereadores.

Leia também

A lei foi aprovada, mas vetada pelo então prefeito Marcelo Crivella. O veto foi derrubado pelos parlamentares, o que motivou o MPRJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) a entrar com uma ação no TJRJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro). O tribunal declarou a lei inconstitucional por "usurpar a função do chefe do Executivo e ferir a constituição do estado do Rio de Janeiro."

Publicidade

" gallery_id="64beb9ae19d224c0a000065a" url_iframe_gallery="noticias.r7.com/rio-de-janeiro/policia-federal-prende-chiquinho-e-domingos-brazao-acusados-de-mandar-matar-marielle-franco-24032024"]

A operação também investiga crimes de organização criminosa e de obstrução de Justiça. Os presos foram levados para a superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Eles devem ser transferidos para o Distrito Federal ainda neste domingo (24).

Publicidade

Morte de Marielle

A quinta vereadora mais votada do Rio de Janeiro, Marielle Franco, foi executada com quatro tiros ao sair de um evento na Casa das Pretas, na Lapa, região central do Rio, no dia 14 de março de 2018.

A vereadora Marielle Franco foi morta em 2018 junto de seu motorista Anderson Gomes
A vereadora Marielle Franco foi morta em 2018 junto de seu motorista Anderson Gomes Câmara Municipal do Rio

Imagens de câmeras de segurança registraram o início da perseguição de um veículo prata ao carro da parlamentar, um Chevrolet Agile. No entanto, os disparos foram feitos em uma rua onde não havia sistema de monitoramento.

Um ano após o crime, a polícia prendeu o PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz. Lessa é acusado de ter atirado com uma submetralhadora, e Élcio, de dirigir o veículo usado no crime.

A arma usada por Lessa nunca foi achada. No entanto, durante as investigações, a polícia encontrou um arsenal na casa de um amigo de infância de Ronnie Lessa no Méier, zona norte do Rio. Na ocasião, o suspeito alegou ter guardado os 117 fuzis sem saber o conteúdo das caixas. 

Uma denúncia revelou que o armamento foi lançado ao mar na Barra da Tijuca, na zona oeste. Em depoimento ao MP-RJ, um pescador confirmou ter sido contratado por R$ 300 por um suspeito ligado a Ronnie Lessa para realizar o serviço.

A partir da informação, em outubro de 2019, a Operação Submersus prendeu a esposa e o cunhado de Ronnie Lessa, além de duas pessoas, por atrapalharem a investigação.

No ano seguinte, o bombeiro Maxwell Simões Correa foi preso na Operação Submersus 2 por ajudar o grupo a descartar a arma do crime.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.