Rio de Janeiro Polícia pode fazer retrato falado para identificar bandidos que mataram homem no Méier (RJ)

Polícia pode fazer retrato falado para identificar bandidos que mataram homem no Méier (RJ)

Esposa da vítima presta depoimento da delegacia. Agentes ainda buscam imagens mais próximas à abordagem durante madrugada

  • Rio de Janeiro | Rafaela Oliveira, do R7*, com Felipe Batista, da Record TV Rio

André Luiz foi morto com tiro no peito durante assalto na zona norte do Rio

André Luiz foi morto com tiro no peito durante assalto na zona norte do Rio

Reprodução/Record TV Rio

A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga o assassinato de André Luiz Monteiro de Almeida, de 54 anos, morto nesta sexta-feira (27). Nesta tarde, a esposa da vítima, Jaqueline Braga Rebello, de 55 anos, presta depoimento e pode ajudar os investigadores a montar um retrato falado dos bandidos que renderam o casal.

Segundo informações, os agentes procuram imagens mais próximas de onde as vítimas foram rendidas, no Méier - A Record TV Rio teve acesso às imagens de câmeras de segurança que flagram o latrocínio de maneira afastada. 

Polícia busca imagens de câmeras mais próximas à cena do crime para identificar bandidos

Polícia busca imagens de câmeras mais próximas à cena do crime para identificar bandidos

Reprodução/Record TV Rio

André e a esposa deixavam uma amiga em casa quando foram surpreendidos por homens armados em um carro. Ele teria pedido que o grupo não agisse com violência, mas os assaltantes puxaram o cabelo de Jaqueline e a jogaram no chão. Em seguida, atiraram contra o peito de André, que morreu no local. 

De acordo com a amiga do casal, Loayse Darcília, os três já não se viam há um tempo e voltavam de uma confraternização com outros colegas. O trio chegou na casa de Loayse por volta da 1h09, na rua Caetano de Almeida. André e Jaqueline esperaram a amiga entrar em casa, mas Luayse assistiu toda a ação criminosa quando se deu conta da abordagem. 

Naquela rua, os vizinhos de Loayse já instalaram cercas de proteção em decorrência dos casos de violência. Os moradores reclamam da rotina de crimes que acontecem na região. 

As vítimas moram no Cachambi e eram casados há cinco anos. Ainda não há informações sobre o enterro de André Luiz. 

O caso está a cargo da Delegacia de Homicídios da Capital. 

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas