Rio de Janeiro Polícia vai investigar agente que atirou durante ato em Paraty (RJ)

Polícia vai investigar agente que atirou durante ato em Paraty (RJ)

Grupo de mulheres protestava contra feminicídios quando policial disparou tiros de fuzil contra o chão

  • Rio de Janeiro | Victor Tozo, do R7*

A Polícia Civil afirmou que vai apurar a conduta do agente que disparou tiros de fuzil durante uma manifestação de mulheres, que ocorreu na frente da delegacia de Paraty, na região da Costa Verde do Rio de Janeiro.

Policial disparou tiros em ato que ocorria em frente à 167ª DP

Policial disparou tiros em ato que ocorria em frente à 167ª DP

Reprodução / Google Maps

Em vídeo divulgado nas redes sociais, é possível ver o momento em que o homem sai da 167ª DP (Paraty) armado com um fuzil e dispara dois tiros contra o chão, durante um protesto do Fórum de Mulheres de Paraty, que ocorria em frente à delegacia.

Após atirar, o homem retira cartazes colados nas paredes externas da unidade pelas manifestantes, discute e gesticula com algumas delas. Ele, então, volta para dentro da delegacia e o protesto continua.

Em nota, o Fórum de Mulheres afirma que, no último domingo (10), o grupo fez uma manifestação pacífica na Câmara Municipal de Vereadores para denunciar a omissão do poder público na garantia de segurança das mulheres em Paraty e pedir a votação da criação do Observatório do Feminicídio.

O Fórum declara que um dos parlamentares propôs que as manifestantes também levassem as demandas até a delegacia, onde protestariam contra a negação da polícia em registrar boletins de ocorrência.

Ainda na nota, o grupo considera que a atitude do agente que disparou os tiros “desnuda a realidade das vítimas de violência em Paraty, que não têm sequer espaço seguro para denunciar e buscar abrigo, quanto mais garantir a sua integridade física e justiça.”

Além de abrir procedimento para apurar a conduta do policial flagrado no vídeo, a 167ª DP afirma que o delegado titular da unidade deve se reunir com as representantes do movimento para ouvir e conversar sobre a manifestação.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas