Rio de Janeiro “Preferimos salvar os reféns”, diz Witzel sobre sequestro na ponte

“Preferimos salvar os reféns”, diz Witzel sobre sequestro na ponte

Governador do Estado foi de helicóptero até o local, onde conversou com agentes que trabalharam nas negociações e lamentou a morte do suspeito

  • Rio de Janeiro | Lucas Ferreira, do R7*, com Estadão Conteúdo

Governador agradeceu agentes que trabalharam em resgate

Governador agradeceu agentes que trabalharam em resgate

Reprodução/Record TV Rio

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), declarou em suas redes sociais, na manhã desta terça-feira (20), que o objetivo da Polícia Militar era salvar todos os envolvidos no sequestro a um ônibus, na ponte Rio-Niterói, incluindo o suspeito morto por um atirador de elite da corporação.

“O ideal era que todos saíssem vivos, mas preferimos salvar os reféns. Determinei que a Secretaria de Vitimização cuide dos reféns e também da família do sequestrador. Meu papel como governador é fazer com que tudo funcione, evitando transtornos para a sociedade”, disse Witzel.

Uma hora após o término do sequestro, o governador do Estado posou de helicóptero na ponte e saiu da aeronave com os braços erguidos, comemorando o resultado da ação.

Witzel conversou com agentes envolvidos nas negociações e deu entrevista à imprensa. O representante do Estado exaltou a atuação da Polícia Militar, caracterizando ela como “exemplar”.

"Foi um trabalho de excelência, se a PM não tivesse abatido o criminoso, muitas vidas não teriam sido poupadas, e é isso que está acontecendo nas comunidades: se a polícia puder abater quem está de fuzil, muitas vidas serão poupadas", disse o governador.

Agentes do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) comandavam a operação de resgate. O suspeito, que estava com uma faca e uma arma de brinquedo, foi atingido pelo atirador de elite após quatro horas de negociação.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas