Rio de Janeiro Rio: desaparecimento de meninos em Belford Roxo completa 6 meses

Rio: desaparecimento de meninos em Belford Roxo completa 6 meses

Investigação ainda não foi concluída; há suspeitas de que os garotos tenham sido vítimas do "tribunal do tráfico"

  • Rio de Janeiro | Rafael Nascimento do R7 *

Lucas, Alexandre e Fernando estão desaparecidos

Lucas, Alexandre e Fernando estão desaparecidos

Reprodução/Record TV Rio

O desaparecimento de três meninos em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, completou 6 meses no último domingo (27).

Lucas Manhães da Silva, de 9 anos, Alexandre Silva, de 11 anos e Fernando Henrique Soares, de 12 anos, foram vistos pela última vez no dia 27 de dezembro de 2020, em uma feira no bairro de Areia Branca próximo ao bairro Castelar, onde as crianças residem.

As famílias perceberam que os meninos não voltaram para o almoço e iniciaram as buscas. Por volta das 21h, um boletim de ocorrência foi registrado.

Há suspeitas de que os garotos tenham sido assassinados a mando dos traficantes da comunidade Castelar, por terem descumprido uma ordem dada pelos criminosos. Entretanto, não há nada de concreto que comprove esta hipótese, segundo a polícia.

Últimas imagens

Em 10 de março, o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) encontrou imagens que mostram os três meninos andando por uma rua de um bairro vizinho à Castelar, no dia do desaparecimento. Segundo as investigações, os meninos podem ter sido capturados momentos depois da gravação.

No dia 21 de maio, a Polícia Civil prendeu 17 pessoas em uma operação na Baixada Fluminense. A quadrilha é investigada por comandar um "tribunal do tráfico" no complexo do Castelar, além de praticar roubo de carros e cargas na região.

A DHBF (Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense) informou que continua as investigações e buscas para localizar os meninos desaparecidos. Os agentes realizaram diversas diligências e operações desde que o registro foi feito na delegacia.

Familiares foram ouvidos, imagens de câmeras de segurança foram analisadas e outras ações foram empreendidas para esclarecer o caso. Nas últimas semanas, a equipe da DHBF também ouviu depoimentos de testemunhas e realizou diligências na região.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Raphael Hakime

Últimas