RJ: Comissão de Educação estuda retorno às aulas para 15 de agosto

Secretária de Educação, Talma Romero informou que está sendo criado um comitê para traçar o calendário e os protocolos de volta às escolas da cidade

Aulas podem voltar em agosto

Aulas podem voltar em agosto

Elza Fiúza/ Agência Brasil

O retorno às salas de aula nas escolas municipais do Rio de Janeiro pode levar um tempo maior do que o esperado para ocorrer. Durante uma audiência virtual da Comissão de Educação da Câmara Municipal, nesta segunda-feira (22), a secretária municipal do tema, Talma Romero, falou da possível volta dos alunos às escolas em 15 de agosto e não mais em julho.

Veja também: Nissan demite 398 funcionários de fábrica no Rio de Janeiro

A Comissão escutou representantes da Prefeitura, do sindicato dos professores, associação de estudantes do Rio de Janeiro, do Movimento das Mães, Pais e Responsáveis da Escola Pública Municipal Carioca, do Ministério Público e da Fiocruz, que se manifestaram, em sua maioria, contra a volta das aulas.

Além disso, vários participantes pediram acesso ao plano da prefeitura para a retomada das atividades presenciais.

De acordo com a coordenadora geral do Sepe-RJ (Sindicato Estadual dos Profissionais Educação do Rio de Janeiro), Izabel Paolino, se as aulas voltarem, mesmo em agosto, o Sepe-RJ entrará em greve.

Segundo a secretária Talma Romero, vai ser criado um comitê com representantes do MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro), do TCM (Tribunal de Contas do Município), da Defensoria Pública e do Conselho Escola Comunidade para traçar o calendário e os protocolos de volta às aulas.

Em nota, a SME (Secretaria Municipal de Educação) esclareceu que não há data concreta para retorno dos alunos. "Tudo vai depender da curva de contaminação do novo coronavírus e das orientações sanitárias".

Além disso, a assessoria de imprensa da pasta ressaltou que o planejamento das ações para o ano letivo de 2020 vai ser reorganizado com a secretaria de Saúde,  conselhos de Educação, responsáveis, professores e seu respectivo sindicato, parceiros e instituições para um retorno seguro e para a preservação da saúde dos alunos, professores e funcionários.

*Sob supervisão de Thiago Calil