Rio de Janeiro RJ: Diretor e agentes do Degase são suspeitos de abuso sexual

RJ: Diretor e agentes do Degase são suspeitos de abuso sexual

Governador Cláudio Castro exonerou diretor Leonardo Lúcio e corregedor do órgão; agentes foram afastados

  • Rio de Janeiro | Rafael Nascimento do R7 *, com Record TV Rio

Degase na Ilha do Governador

Degase na Ilha do Governador

Gláucio Dettmar/Conselho Nacional de Justiça

A Justiça mandou afastar o diretor Leonardo Lúcio e cinco agentes do Degase (Departamento Geral de Ações Socioeducativas) por denúncia de abuso sexual a jovens internas do Cense/ PACGC (Centro de Socioeducação Professor Antônio Carlos Gomes da Costa), unidade de internação feminina localizada no Galeão, Ilha do Governador, na zona norte do Rio de Janeiro.

A determinação ainda manda que as 19 jovens internas sejam provisoriamente transferidas para outra unidade imediatamente. Os cinco agentes foram identificados como Lucídio Ramos Martins, Edilson Mendes de Araújo, Thais Bernardes Sales Bento, Alisson Pires Barreto e Raphael Peçanha Barreto.

Posição do Sind-Degase

Segundo o Sind-Degase (Sindicato dos Servidores da Carreira Socioeducativa do Estado do Rio de Janeiro) os agentes estão sendo ouvidos pela Corregedoria do órgão e pelo Judiciário. O Sindicato informou ainda que recebeu com indignação a notícia sobre a denúncia das adolescentes internas do PACGC e se coloca à disposição da Justiça, dos órgãos de investigação e da direção do Degase para qualquer colaboração na devida apuração dos graves fatos noticiados, ressaltando o sentimento de repúdio por qualquer comportamento incompatível com a função dos agentes de segurança socioeducativos.

Defesas

A defesa do diretor Leonardo Lúcio afirmou que ele não tinha conhecimento da ocorrência dos fatos relatados pelas adolescentes e assim que os mesmos chegaram ao seu conhecimento, ouviu as menores individualmente junto com a equipe técnica e também oficiou à Corregedoria Geral do Degase, ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) e solicitou ao Degase o afastamento do agente Edilson da unidade.

A defesa do agente Lucídio Ramos Martins afirmou que o agente exerce o cargo há mais de dez anos e que nunca seria conivente ou omisso com os fatos denunciados e que os fatos a ele imputados nada tem a ver com os abusos sexuais relatados.

A defesa de Raphael Peçanha afirmou que os fatos a ele imputados não tem a ver com os abusos sexuais denunciados e que as menores em depoimento elogiaram a conduta do agente e que a própria juíza Lúcia Glioche menciona o fato de que as adolescentes ouvidas sequer citam Raphael e que a prova colhida em relação ao agente é "pueril", nas palavras da própria juíza.

As defesas dos outros agentes ainda não se manifestaram.

Por determinação do governador Cláudio Castro, o secretário de Educação, Alexandre Valle, exonerou o diretor Leonardo Lúcio e o corregedor do Degase. Castro também determinou ao secretário de Políca Civil, Allan Turnowski, que a polícia apure as denúncias com todo o rigor. A Secretaria de Vitimados irá prestar todo auxílio necessário às internas e seus familiares. Os agentes socioeducativos já estão afastados.

*Estagiário do R7 sob supervisão de PH Rosa

Últimas