RJ: estudo recomenda não abrir hospitais de campanha em atraso 

Entre os motivos apontados pela equipe técnica da Secretaria Estadual de Saúde estão a redução da taxa de ocupação e o custo operacional dos leitos

Ocupação de UTIs está em 59,9% na rede estadual

Ocupação de UTIs está em 59,9% na rede estadual

Divulgação/Governo do RJ

Um estudo elaborado pela equipe técnica da SES-RJ (Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro) recomendou que o governo estadual não abra os cinco hospitais de campanha que apresentam atrasos na construção em meio à pandemia do novo coronavírus.

Entre os motivos apontados estão a redução da taxa de ocupação de leitos e o alto custo operacional deles. O estudo orientou a readequação das unidades já inauguradas, em caso de uma segunda onda de contaminação no Rio.

Procurada, a SES-RJ informou que o estudo "não é um parecer definitivo" e que  uma decisão ainda será tomada sobre as unidades de Nova Iguaçu e Duque de Caxias, na Baixada Fluminense; Nova Friburgo, Região Serrana; Campos dos Goytacazes e Casimiro de Abreu, Norte Fluminense.

Estudo

O levantamento realizado pela equipe técnica da SES-RJ indicou que o pico da pandemia já ocorreu em meados de maio e início de junho.

De acordo com os dados de internação de pacientes com covid-19, os números caíram de 275 solicitações por dia, há 30 dias, para aproximadamente 117 por dia, atualmente.

Hoje, a ocupação de leitos na rede estadual é de 59,9% para UTI (Unidade de Tratamento Intensiva) adulto e 56,7% para enfermaria.

O estudo ressaltou também que o custo fixo operacional mensal do leito no hospital de apoio é de R$ 20 mil, segundo a antiga gestora.

Hospitais de campanha

As investigações sobre corrupção em verbas destinadas à construção de hospitais de campanha e aquisição de equipamentos para o enfretamento da pandemia resultaram em afastamento da antiga gestora de sete unidades e prisões de empresários e membros da Secretaria Estadual de Saúde. Além disso, a pasta já teve duas trocas de comando em pouco mais de um mês.

Dos hospitais de campanha para tratamento da covid-19 anunciados pelo governo estadual, somente estão funcionando as unidades Maracanã, na zona norte do Rio, Parque dos Atletas, na Barra da Tijuca, zona oeste, Lagoa-Barra, zona sul, e São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.