Rio de Janeiro RJ: ex-prefeito de Carmo e mais 7 são presos por corrupção

RJ: ex-prefeito de Carmo e mais 7 são presos por corrupção

Envolvidos em esquema criminoso fizeram contratos superfaturados com empresas de limpeza estimados em R$ 40 milhões

Resumindo a Notícia

  • Ex-prefeito de Carmo e outros 7 envolvidos em esquema de superfaturamento são presos
  • Operação é desdobramento de ação de março, quando ex-prefeito foi preso por lavagem de dinheiro
  • Contratos superfaturados com limpeza urbana da cidade chegam a R$ 40 milhões
  • Polícia Federal do Espírito Santo ainda investiga fraudes desta organização criminosa no estado
Agentes do MP-RJ e das polícias Civil e Federal cumprem mandados nesta segunda (7)

Agentes do MP-RJ e das polícias Civil e Federal cumprem mandados nesta segunda (7)

Reprodução/Record TV Rio

O MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) realiza, nesta segunda-feira (7), uma operação contra corrupção no município de Carmo, na Região Serrana. Na ação, o ex-prefeito da cidade, Paulo Cesar Ladeira, foi preso. Além dele, outras sete pessoas da prefeitura foram detidas pelo superfaturamento de contratos. 

Segundo as investigações do MP-RJ, com apoio da Polícia Civil e Federal, de 2017 a 2020, durante o governo de Ladeira, a organização criminosa obteve contratos superfaturados com duas empresas de limpeza urbana. Houve pagamento de propina aos agentes da prefeitura de Carmo e o valor estimado dos contratos chega a R$ 40 milhões. 

Os outros alvos da operação Chorume II são: Wesley Ferreira Pessanha, Celciomar Ferreira Pessanha e Selma Ferreira Pessanha, apontados como donos da empresa Limpeza Urbana e da Forte Ambiental; José Henrique dos Santos Mendonça e Murilo Neves de Moura, apontados como braços direitos dos empresários. O MP-RJ ainda investiga a relação destes nomes com o pagamento de propina a vereadores do município. 

De acordo com o Tribunal de Contas do Estado, foram apontadas diversas irregularidades na licitação que resultou na contratação desta prestadora de serviços. Pela investigação, há indícios de sobrepreço no custo estimado da tonelada de lixo, estimado em 148%. O TCE-RJ apurou um valor aproximado de R$ 1.817.190, comparado aos preços praticados pelo mercado, e ainda um superfaturamento na grande quantidade de insumos de aproximadamente R$ 3.867.492.  

Além dos mandados de prisão, estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos investigados e a outros envolvidos no esquema criminoso, nas cidades do Carmo, Macaé, Campos dos Goytacazes, São Fidélis e Ubá-MG. Os bens e imóveis dos denunciados também serão capturados para a investigação. Já foram apreendidas criptomoedas. 

Operação Chorume

A ação de hoje é um desdobramento da Operação Chorume, realizada em março deste ano, quando Paulo Ladeira já havia sido preso por lavagem de dinheiro. Na ocasião, uma quantia de R$128.900 decorrente de propina foi encontrada enterrada em um sítio. Assim como ele, também foram presos a vereadora Rita Estefânia Gozzi Farsura, o ex-secretário de Meio Ambiente, Ronaldo Rocha Ribeiro, e o empresário Murilo Neves de Moura, todos acusados de corrupções ativa e passiva, associação criminosa e prevaricação.

Operação Volátil

Junto à Operação Chorume II, a Polícia Federal do Espírito Santo realiza uma operação contra fraudes em contratos de fornecimento de álcool em gel para órgãos públicos no Espírito Santo, praticadas pelo mesmo grupo de empresários investigado pelo MPRJ e pela 112ª DP (Carmo). Estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal do Espírito Santo em Macaé e São Fidélis. 

Segundo a PF, há indícios de que, além dos danos causados pelo grupo aos cofres públicos de Carmo, a mesma organização agia em outros estados do Brasil, aproveitando a pandemia de COVID-19 para contratos indevidos na área da saúde.

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas