RJ: moradores relatam irritações e enjoos após ingerir água da Cedae

Empresa diz que fez testes em amostras coletadas, mas não encontrou problemas; moradores dizem que água tem cheiro e gosto de barro

Moradores reclamam de água da Ceadae

Moradores reclamam de água da Ceadae

Reprodução/Record TV Rio

Moradores da zona oeste e da Baixada Fluminense estão com problemas no abastecimento de água, que tem chegado com uma cor amarelada e cheiro forte nas torneiras dessas regiões. Os relatos nas redes sociais começaram na segunda-feira (6). Algumas pessoas afirmaram ardência nos olhos após lavar o rosto com a água supostamente contaminada. Também houveram relatos de pessoas que tiveram febre, enjoo e vômito ao consumir essa água.

No bairro de Olinda, em Nova Iguaçu, a moradora identificada apenas como Julia, disse que pela manhã a água parece mais limpa, mas que ao longo do dia ela fica com cheiro e cor de barro.

“Eu comprei garrafas de água mineral porque tenho filho pequeno e não posso dar essa água para ele. O problema é que o dinheiro vai acabando e a gente só tem mais três litros de água para beber”, disse a moradora em entrevista à Record TV Rio.

Ao Balanço Geral RJ, a Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgoto) informou que técnicos da empresa recolheram 150 amostras de água das regiões afetadas e que por enquanto não foram encontrados problemas nessas amostras. Nesta terça-feira, a empresa disse que novas amostras serão colhidas para que uma nova análise seja feita.

Já a Vigilância Sanitária disse que inspeciona 12 pontos nos bairros de Paciência, Campo Grande, Santa Cruz, Olaria, Brás de Pina e Ramos nesta terça-feira. Os técnicos estão coletando amostras para a análise microbiológica feita no Lasp  (Laboratório Municipal de Saúde Pública), com os resultados saindo em 24 horas, a partir da chegada do material na unidade que que funciona no Complexo Zona Norte da Vigilância, em São Cristóvão.