Rio de Janeiro RJ: operação investiga fraudes na compra de merendas para escolas 

RJ: operação investiga fraudes na compra de merendas para escolas 

Mesmo com a pandemia e a suspensão das aulas, as atividades ilícitas se mantiveram para a compra e distribuição de cestas básicas aos alunos

  • Rio de Janeiro | Vinícius Andrade, do R7*

Ação cumpre 64 mandados de busca e apreensão

Ação cumpre 64 mandados de busca e apreensão

Reprodução

O MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) e a Polícia Civil prenderam nesta sexta-feira (26) um empresário investigado na operação que apura fraudes na compra de merendas e equipamentos para escolas estaduais do Rio e em municípios da Baixada Fluminense. A ação ainda cumpriu 64 mandados de busca e apreensão.

De acordo com o TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), a 1ª Vara Criminal Especializada da Comarca da Capital decretou a prisão temporária de Mauro Della Libera Braga, apontado como um dos principais integrantes do esquema que burlava licitações. Ele teria “poder articulador” entre agentes e servidores públicos da Secretaria de Educação.

O R7 tenta localizar a defesa de Mauro Braga. O espaço está aberto para a manifestação

Leia também: TCE-RJ reafirma superfaturamento em obra da linha 4 do metrô

A operação Prandium é resultado de cinco meses de investigações que apontam a existência de uma organização que age com falsos orçamentos e forja preços para simular concorrência em contratações para o fornecimento de materiais e alimentos para escolas do Rio de Janeiro.

Na investigação, empresários foram monitorados aliciando e pagando propina a diretores de escolas e diretores regionais, para que houvesse direcionamento na escolha e compra dos bens. 

Segundo a promotoria, mesmo com a pandemia do novo coronavírus e a suspensão das aulas, as atividades ilícitas se mantiveram para a compra e distribuição de cestas básicas aos alunos.

A Seeduc (Secretaria de Estado de Educação) disse, em nota, que apenas repassa a verba para a compra de alimentos para as escolas e que a escolha de fornecedor e compra de alimentos é feita pelas direções das unidades. 

A pasta afirmou ainda que afastará os diretores dos cargos e aguardará a conclusão das investigações para outras medidas. 

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas