Testemunha diz que bandidos se refugiaram na casa de João Pedro

Segundo delegado Allan Duarte, jovem, que estava com a vítima, contou em depoimento que suspeitos entraram no imóvel para fugir de cerco policial 

João Paulo foi baleado em operação das polícias Civil e Federal

João Paulo foi baleado em operação das polícias Civil e Federal

Reprodução

O delegado responsável pela investigação da morte do jovem João Pedro, de 14 anos, durante uma operação das polícias Civil e Federal, no Complexo do Salgueiro, Região Metropolitana do Rio, disse ter já tomado o depoimento de duas testemunhas, além dos policias que participaram da ação.

Leia também: "A polícia matou uma família", diz pai de menino morto em ação no RJ

“Ouvimos duas testemunhas. Uma delas estava no interior da residência com o jovem que foi vitimado, é uma menina. Ela confirma a presença de marginais na residência. Eles [bandidos] apenas utilizaram a casa para encontrar um refúgio do cerco policial”, afirmou o delegado Allan Duarte.

Em entrevista à Record TV Rio, o delegado titular DHNSG (Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo) disse ainda que foram apreendidas uma arma de fogo e três granadas na casa onde João foi baleado na última segunda (18).

Duarte afirmou que em “tese” o armamento foi utilizado pelos "marginais" e que eles não possuem nenhum tipo de ligação com os jovens.

O delegado confirmou que, além de ter ouvidos os policiais envolvidos na ação, apreendeu as armas dos agentes para um “eventual confronto balístico”.

Segundo o delegado, o próximo a prestar depoimento será o piloto da aeronave, que socorreu o jovem baleado, para prestar esclarecimento a respeito da logística e do atendimento à vítima.

Allan disse que enviará um ofício para Polícia Federal para solicitar um relatório que especifique quantos policiais, aeronaves e blindados foram usados na ação, além do real resultado da operação.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira