Rio de Janeiro Vítima de sequestro alertava polícia com bilhetes na janela do ônibus

Vítima de sequestro alertava polícia com bilhetes na janela do ônibus

Hans Miller Moreno, de 34 anos, contou que sequestrador pediu para fechar as cortinas e que os policiais viram os bilhetes entre a cortina e o vidro

  • Rio de Janeiro | Raíza Chaves, do R7* com Record TV Rio

Hans Miller escreveu bilhetes para policiais

Hans Miller escreveu bilhetes para policiais

MARCIO DOLZAN/ESTADÃO CONTEÚDO - 20.08.2019

Uma das vítimas do sequestro a um ônibus, na ponte Rio-Niterói, contou em entrevista que escreveu bilhetes e colocou nos vidros para alertar os policiais nesta terça-feira (20).

Veja também: Sexta vítima libertada desmaia ao sair de ônibus em ponte Rio-Niterói

Segundo Hans Miller Moreno, que é professor de geografia, o suspeito pediu comunicação com um rádio e que uma das passageiras escrevesse de batom no vidro o número ou a frequência do rádio para polícia entrar em contato e negociar, além disso pediu que fechassem as cortinas.

"Coloquei os bilhetes entre a cortina e o vidro sem ele ver, aproveitava os momentos em que estava de costas."

Ele afirmou também que o homem repetia que não queria os pertences das vítimas nem machucar ninguém, só queria entrar para história e que iriam ter muito para contar depois.

Hans contou em detalhes como os passageiros foram amarrados dentro do veículo e a gasolina colocada no teto. 

"Uma passageira foi colocando em todos os outros braçadeiras de plástico mas consegui me soltar e trocar mensagens com meus familiares. Ele também pediu para ela passar barbantes pelo teto do ônibus e depois colocar os copos feitos com fundo de garrafa pet finalizando com a gasolina".

De acordo com ele, o sequestrador permitiu a comunicação deles com os familiares e que entrassem em contato com a polícia.

"Primeiro tranquilizava minha esposa, irmã e amigos, mas falava que o ônibus estava sendo sequestrado. Não dava pra falar muito, mas a ideia a princípio era tranquilizar. E ele queria isso, que a gente ligasse para a polícia."

"Depois de um bom tempo ele falou em R$ 30 mil, deu para ouvir isso, mas disse que não queria dinheiro das vítimas e sim do Estado", concluiu Hans.

O sequestrador foi atingido por um atirador de elite do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) enquanto arremessava um objeto para os negociadores. O homem não resistiu aos ferimentos e morreu, segundo informação do porta-voz da Polícia Militar, coronel Mauro Fliess.

Os reféns foram levados no início da tarde de terça-feria para a DHNSGI (Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí) para prestar depoimento.

*Sob supervisão de PH Rosa

Últimas