São Paulo Agentes funerários de SP paralisam os serviços e fazem manifestação 

Agentes funerários de SP paralisam os serviços e fazem manifestação 

Sindicato denuncia a terceirização do setor de gerenciamento de transporte e exige a suspensão do repasse da mesa de tráfego

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Os agentes funerários iniciaram uma manifestação na manhã desta quarta-feira (15), na garagem da Vila Guilherme, na zona norte de São Paulo, que é responsável por 80% do tráfego funerário da cidade.

De acordo com a equipe da Record TV, que estava no local, o motivo da manifestação teria sido por conta da renovação de um contrato milionário com a empresa FVB, em um valor de R$ 7 milhões. No entanto, os carros são mantidos em péssimas condições e não foram renovados, conforme previsto em contrato.

A repórter, que conversou com um dos manifestantes, relatou casos de atrasos de 24 horas no enterro dos corpos por conta da má manuntenção de alguns carros. Disse, ainda, que um corpo chegou a deteriorar por conta de 72 horas de atraso.

Carros funerários estão sem manutenção

Carros funerários estão sem manutenção

Reprodução/Record TV - 15.09.2021

A gestão do Prefeito Ricardo Nunes na direção do Serviço Funerário pretende passar todo o controle da mesa de tráfego que gerencia a saída dos carros e o controle da remoção dos corpos para a administração da empresa terceirizada. Na última tentativa, conforme relatado, famílias tiveram atrasos de até 72 horas nos enterros na cidade.

O sindicato denuncia a terceirização e exige a suspensão do repasse da mesa de tráfego para a empresa FVB.

O que a prefeitura diz

A prefeitura de São Paulo informou, por meio de nota, que não houve paralisação por parte dos funcionários e que as operações funcionam normalmente, sem qualquer registro de atraso, nesta quarta-feira (15).

Esclarece ainda que, desde março de 2021, terceirizou o serviço de gerenciamento de transporte, passando a operar com a nova empresa, visando à eficiência no atendimento às famílias enlutadas durante o pico da pandemia.

A transição ocorreu, por tempo determinado, com o auxílio dos funcionários efetivos que executavam a função anteriormente, sendo esse período encerrado no dia de hoje (15), ficando a empresa à frente integral da administração da mesa de tráfego.

Com a nova condução, os serviços ganham agilidade tendo em vista que o número de funcionários passou de 12 para 16, além da utilização de um sistema de monitoramento mais moderno.

Os servidores efetivos serão realocados para outros setores, reforçando a equipe para prestação de serviço ao munícipe.

Últimas