São Paulo Após exames no IML, Abdelmassih é conduzido para Tremembé (SP)

Após exames no IML, Abdelmassih é conduzido para Tremembé (SP)

Ex-médico está sendo transferido para a Penitenciária II Dr. José Augusto Salgado, no interior de São Paulo, depois de ter prisão domiciliar revogada

  • São Paulo | Letícia Dauer, da Agência Record

O ex-médico Roger Abdelmassih, condenado a 173 anos de prisão pelo abuso sexual de pacientes, passou, às 16h40 desta segunda-feira (31), por exames no IML (Instituto Médico Legal) Norte, em Santana. De lá, seguiu para a penitenciária II Dr. José Augusto Salgado, em Tremembé, no interior de São Paulo.

Leia mais: TJ-SP determina que Roger Abdelmassih volte ao presídio

Na sexta-feira (28), a Justiça de São Paulo determinou que Abdelmassih deveria sair do regime de prisão domiciliar e retornar à penitenciária. Ele havia sido liberado em abril para cumprir pena em regime domiliciar por pertencer ao grupo de risco para o novo coronavírus. 

Abdelmassih tem 76 anos de idade e um quadro de doenças crônicas. Antes da liberação, ele cumpria pena em regime fechado. Após a adoção do novo regime, o ex-médico também foi liberado do uso de tornozeleira eletrônica devido à falta do equipamento no sistema prisional. No regime domiciliar, ele não poderia sair de casa, a não ser em caso de emergência médica.

O ex-médico Roger Abdelmassih, saindo do DHPP nesta segunda-feira (31)

O ex-médico Roger Abdelmassih, saindo do DHPP nesta segunda-feira (31)

Reprodução/ Record TV

O pedido de prisão domiciliar foi feito no fim de março, depois que a Justiça autorizou a saída de alguns presos do regime semiaberto. A defesa de Abdelmassih alegou que ele estava sujeito ao risco de morte caso fosse infectado. Além da idade avançada, ele é portador de doença cardíaca grave.

O Ministério Público alegou que há todas as condições para que Abdelmassih cumpra a pena na penitenciária. De acordo com a Promotoria, a recomendação do Conselho Nacional de Justiça, referente ao protocolo para a população carcerária na pandemia do novo coronavírus, não pode ser justificativa para a soltura desenfreada de presos.

Últimas