Avanço do coronavírus na Baixada Santista preocupa governo de SP

Estado vai liberar, a partir de quinta-feira (14), R$ 30 milhões para Santos, Praia Grande e Itanhaém abrirem 350 leitos para tratamento de covid-19

Santos é uma das cidades com aumento de casos nos últimos dias

Santos é uma das cidades com aumento de casos nos últimos dias

Fabrício Costa/Futura Press/Estadão Conteúdo - 8.5.2020

A Baixada Santista já é a segunda área mais afetada pela pandemia do coronavírus no estado de São Paulo, atrás apenas da região metropolitana da capital, o que já preocupa o governo.

O governador João Doria anunciou, nesta quarta-feira (13), o repasse de R$ 30 milhões a Santos, Praia Grande e Itanhaém para a abertura de 350 leitos, sendo 50 de UTI e 300 de enfermaria, para atender casos de covid-19. Os recursos estarão disponíveis a partir de amanhã.

"É a segunda região mais impactada pelo coronavírus, depois da região metropolitana de São Paulo, com o maior número de casos, a maior incidência, o maior número de infectados em tratamento hospitalar e, lamentavelmente, também em crescimento do número de óbitos", afirmou Doria.

O secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, declarou que há uma "preocupação grande" e que o governo tem conversado com prefeitos do litoral para evitar sobrecarga no sistema de saúde.

"Um alerta que nós estamos dando ao longo das últimas duas semanas sobre esse crescimento na Baixada Santista."

Santos é a quinta cidade do estado em número de casos confirmados de covid-19: 1.000 registros até ontem, com 67 óbitos.

Os municípios de Cubatão, São Vicente, Praia Grande, Guarujá e Itanhaém têm, juntos, 963 casos confirmados e 139 mortes.

Em todo o estado, são 51.097 casos, incluindo 4.118 óbitos. 

Leia também: Salões de beleza e academias seguem fechados em São Paulo