São Paulo Cachorra baleada por caminhoneiro segue estável e deve receber alta

Cachorra baleada por caminhoneiro segue estável e deve receber alta

Pintada foi agredida após morder a bermuda do homem. Ela está estável e fora de risco de morrer, de acordo com clínica veterinária que a atendeu

  • São Paulo | Vania Souza, da Agência Record

Pintada está internada mas com indicações de alta

Pintada está internada mas com indicações de alta

Reprodução RecordTV

A cachorra que levou um tiro de um caminhoneiro, na última quarta-feira (5), no Jardim Brasil, zona norte de São Paulo, está estável e sem risco de morrer, com indicação de alta médica.

De acordo com a Dra. Fernanda Risoli, coordenadora clínica do Hospital Veterinário Vet Popular, lugar que Pintada etá internada, a equipe irá manter a paciente, por mais vinte e quatro horas, em leito comum, para o término da antibioticoterapia profilática.

Veja também: São Paulo registra 25 casos de maus-tratos a animais por dia

A cachorrinha, que foi adotada pelos familiares do responsável pelo hospital, já está, há quase 48 horas, sem a necessidade do suporte de oxigênio, alimenta-se com bastante apetite e está com todos os exames dentro da normalidade.

O caso

Segundo um manobrista que alimenta os cães que vivem no pátio do terminal, o caminhoneiro de 38 anos se aproximou para brincar com os cachorros. No entanto, foi atacado por uma cadela, que mordeu a bermuda do homem, informou o repórter da RecordTV Pedro Leão. Em seguida, o caminhoneiro foi até o seu caminhão, pegou uma arma e atirou contra o animal.

Questionado pelo manobrista sobre o motivo que levara a atirar, o caminhoneiro teria respondido que "aquela cachorra não ia morder mais ninguém no local".

Últimas