São Paulo Caso Amanda: polícia procura por jovem desaparecida há 11 dias

Caso Amanda: polícia procura por jovem desaparecida há 11 dias

Amanda teria ido à delegacia e pego R$ 50 pouco antes de desaparecer. Última informação aponta uma viagem de aplicativo até Jaraguá (zona oeste)

Caso Amanda

Amanda pessoal está desaparecida há 11 dias

Amanda pessoal está desaparecida há 11 dias

Arquivo pessoal

A jovem Amanda Palha, 26 anos, desaparecu no dia 12 de novembro A família registrou o boletim de ocorrência de desaparecimento dois dias depois, no 6º DP de Osasco. Desde então, a polícia iniciou buscas para encontrar a jovem e desvendar uma série de perguntas sobre o seu desaparecimento.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, Amanda, que é mãe de quatro filhos, teria se relacionado recentemente com um homem apontado como integrante da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Enquanto namoravam, ele foi morto por policiais militares da Rota, após uma suposta troca de tiros.

Depois da morte do suposto membro do PCC, Amanda iniciou um relacionamento com outro rapaz. Segundo a família, a jovem tinha apresentado esse novo namorado como um cabeleireiro. A polícia investiga se ele também tem envolvimento com o crime organizado.

Conforme apurado pela RecordTV, no início da tarde do dia em que desapareceu, Amanda teria entrado em contato com uma amiga e pedido para ela chamar um transporte por aplicativo. O destino informado inicialmente seria uma rua na esquina da casa da jovem, no Jardim D’Abril, em Osasco (Grande São Paulo).

No início da viagem, Amanda estaria acompanhada de um outro rapaz, que desceu no meio do caminho. A jovem, então, teria mudado o trajeto da viagem e pedido para o motorista leva-la até o 8º DP de Osasco. Ela foi até a delegacia e, pouco tempo depois, teria saído com uma nota de R$ 50 com a qual pagou a viagem. Não se sabe como ela conseguiu esse dinheiro.

Saindo da delegacia, Amanda voltou para casa. Pouco antes das 16h, ela ligou de novo para a amiga, a mesma que havia pedido o transporte por aplicativo, e falou que iria resolver uns assuntos em Cajamar (também na Grande São Paulo). Pouco depois, foi na casa de uma tia e teria contado outra história: que iria para um dentista na Lapa, zona oeste de São Paulo.

No entanto, a família teve acesso às informações do aplicativo de transporte que mostram que Amanda foi para uma favela na região do Jaraguá (também na zona oeste paulistana). Ela fez o percurso de 38 km em 36 minutos. E depois disso nunca mais foi vista.

Segundo informações da RecordTV, uma das linhas de investigações da Polícia Civil é que Amanda era informante da polícia. Ela estaria passando informações privilegiadas para policiais sobre traficantes e possíveis planos da facção criminosa PCC.