São Paulo Cenas da cidade: lagarto passeia pelas ruas da zona norte de SP

Cenas da cidade: lagarto passeia pelas ruas da zona norte de SP

Réptil da espécie teiú foi flagrado em calçada nas proximidades de condomínios residenciais em Pirituba, durante a tarde de quarta-feira (14)

  • São Paulo | Do R7

Uma lagarto teiú foi flagrado em um passeio durante a tarde de quarta-feira (14) nas proximidades de condomínios residenciais na Rua José Correia Lima, no Jardim Íris, zona norte da capital paulista.

A região possui muitas residências e pontos comerciais, mas também é composta por matas preservadas e alguns terrenos desocupados — em parte devido à existência de estruturas de rede elétrica e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Lagarto teiú é flagrado por morador em calçada na zona norte de SP

Lagarto teiú é flagrado por morador em calçada na zona norte de SP

Érika Lima

Leia também: Lagarto de estimação do tamanho de cachorro vira estrela na web

Apesar de chamar a atenção e provavelmente assustar algumas pessoas, o biólogo Guilherme Domenichelli garante que o lagarto teiú é não é agressivo — a menos que seja provocado — e está acostumado a ambientes antrópicos (modificados pela ação humana).

"Se quiser pegá-lo na mão, ele vai morder, dar uma chicotada com a cauda ou vai correr, o que é mais provável. Outra defesa é soltar a ponta da cauda, como as lagartixas de parede. Chama-se autotomia. Ele não escala árvores ou muros. É diferente da iguana, que é uma escaladora", explicou o biólogo, que mantém um canal do YouTube (Animal TV) sobre o tema.

Características do animal

Pelas imagens, Guilherme Domenichelli avaliou que o animal flagrado na zona norte paulistana é um macho adulto. Provavelmente, o lagarto havia saído da toca em função do calor para procurar alimentos.

"Muito legal o registro. É um lagarto teiú, que recebe outros nomes em diversas regiões do Brasil. É um adulto. Estou vendo que é um macho, porque tem bochechas maiores, uma musculatura mais forte nessa região da cabeça. Dá para perceber que está bem ativo. Onde moro, na região de Campinas, tem muitos. Inclusive, um deles mora no meu quintal", contou.

Segundo o biólogo, os animais dessa espécie costumam permanecer quase que em estado de hibernação durante o inverno, época do ano em que ficam mais lentos. Por isso, procuram buracos ou moitas grandes para se esconder. Já em períodos de calor, o metabolismo desses lagartos volta a acelerar.

"Quando começa a esquentar o tempo, o metabolismo desses répteis fica mais acelerado. Aí, eles ficam mais ativos. Percebo que está colocando a língua toda hora para fora, porque eles sentem o cheiro pela língua. Ele está farejando tudo por perto. Deve estar com fome e procurando o que comer", complementou.

Guilherme Domenichelli considera positiva a presença desses lagartos em áreas residenciais, pois, como onívoros, ou seja, animais que se alimentam de vegetais, frutas e carne, podem auxiliar no controle de insetos, ratos e bichos peçonhentos.

"As pessoas têm que ficar contentes. Porque é um bicho que come ratos, baratas e vários insetos. Ele não vai atacar ninguém, a não ser que seja perturbado", acrescentou o biólogo.

Últimas