São Paulo Cerca metálica é usada para evitar aglomeração em Campos do Jordão

Cerca metálica é usada para evitar aglomeração em Campos do Jordão

Movimento de turistas aumentou por conta do Festival de Inverno, com apresentações presenciais e controle de público

Agência Estado
Em feridos anteriores, turistas fazem aglomeração em Campos do Jordão (SP)

Em feridos anteriores, turistas fazem aglomeração em Campos do Jordão (SP)

Reprodução

A prefeitura de Campos do Jordão, principal destino turístico de inverno no estado de São Paulo, instalou cercas metálicas no Calçadão do Capivari, na sexta-feira (9), primeiro dia do fim de semana do feriado prolongado da Revolução Constitucionalista, para evitar aglomerações.

Desde a manhã, a chegada de turistas à cidade causou congestionamento nas vias de acesso ao centro. Houve aglomeração de pessoas no portal de entrada, onde funcionam as barreiras sanitárias. Muitas pessoas desceram dos carros para tirar fotos.

O Capivari, que concentra os bares e restaurantes mais badalados estava lotado de turistas. Conforme o secretário municipal de turismo André Luiz Barbêdo, os gradis ajudam a manter o distanciamento entre as pessoas nos horários de maior movimento. "Acreditamos que a extensão do horário de funcionamento de bares e restaurantes para as 23 horas ajudará a evitar aglomerações", disse.

Antes do feriado, restaurantes e bares fechavam às 20 horas. Os estabelecimentos continuam atendendo com 40% da capacidade. No feriado de Corpus Christi, a região do Capivari registrou grande aglomeração de pessoas sem máscara, levando a prefeitura a instalar barreiras no local.

Os hotéis funcionavam com 60% da capacidade, mas estavam lotados. O engenheiro Rogério Marciano, de Sorocaba, fez a reserva em um hotel do bairro Abernéssia e chegou com a esposa na quinta-feira à tarde. "Vimos que a cidade está bem cheia, mas ainda não se compara com outras ocasiões que viemos, antes da pandemia", disse.

Nesta sexta-feira, o casal fez um passeio pela região do Capivari de manhã e não viu aglomerações. "Embora fizesse sol, estava bem frio e com movimento muito tranquilo", disse.

A cidade já vinha com alta ocupação hoteleira desde o início de junho, devido às quedas de temperatura. Na quinta-feira (8), os termômetros chegaram a zero grau e a geada deixou brancos os gramados de praças e jardins. O movimento de turistas aumentou também por conta do Festival de Inverno, que tem duas apresentações presenciais, com controle de público, neste fim de semana.

Turistas e Monte Verde

No distrito de Monte Verde, município de Camanducaia, sul de Minas Gerais, a chegada dos turistas causou filas no portal de entrada. Os veículos eram obrigados a parar nas barreiras sanitárias e os ocupantes tinham a temperatura corporal medida e passavam por rápida entrevista.

As barreiras separavam visitantes com reserva de hospedagem, moradores locais e turistas de um dia. Muitos carros tinham placas do estado de São Paulo, com viajantes que aproveitavam o feriado de 9 de Julho.

Conforme a Agência de Desenvolvimento de Monte Verde (Move), até o início da tarde, 3.825 visitantes tinham passado pelas barreiras sanitárias instaladas no portal. Desses 1.825 eram turistas de um dia. Os outros 2 mil estavam hospedados.

A localidade já tinha 1,2 mil turistas em hospedagem mais longa, devido aos eventos como o ‘Inverno na Montanha’, com programação gastronômica e cultural. No total, os 5 mil visitantes superavam a população local, de 4,2 mil moradores.

A prefeitura ampliou a fiscalização, depois de relatos de aglomerações e pessoas sem máscara no feriado de Corpus Christi. Quem for flagrado sem o protetor facial, recebe multa de R$ 50. Nos bares e restaurantes, era obrigatória a distância de 1,5 m entre os frequentadores. Carros estacionados em desacordo com as regras de trânsito estavam sendo multados.

Últimas