São Paulo Conselho Tutelar retira de casa bebê que fuma narguilé em vídeo

Conselho Tutelar retira de casa bebê que fuma narguilé em vídeo

Mãe prestou depoimento à polícia nesta terça-feira (6). Prima que aparece nas imagens recebeu ameaças de morte

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Bebê é retirada da delegacia por conselheira tutelar

Bebê é retirada da delegacia por conselheira tutelar

Reprodução/Record TV

Uma bebê de 1 ano e 8 meses, que aparece em um vídeo fumando narguilé dentro de casa em Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo, está sob a guarda do Conselho Tutelar e vai passar pelo menos a noite desta terça-feira (6) longe da família. A mãe da criança prestou depoimento à polícia também nesta terça. As informações são da Record TV.

Uma jovem de 18 anos, prima da criança, recebeu ameaças de morte e de espancamento de familiares depois que o vídeo viralizou nas redes sociais. As imagens mostram a levando a piteira à boca, puxando o ar e soltando fumaça. A gravação tem 19 segundos.

Foi a prima, que completou recentemente 18 anos, quem deu o narguilé para a criança - no dia da gravação, ainda tinha 17 anos. No vídeo, ela aparece rindo da situação. Alvo de graves ameaças, ela afirma que aquela foi a primeira vez que fez a criança fumar.

Na quarta-feira (7), a menina passará por exame toxicológico. A polícia quer saber que tipo de substância ela ingeriu.

O uso de narguilé pode trazer consequências graves para a saúde, como enfisema, bronquite, faringite e inflamação das vias aéreas.

A mãe

A mãe da criança afirmou à Record TV que não sabia o que acontecia com a filha. “Uma brincadeira de mau gosto que fizeram com a minha filha. Eu não sei nem o que dizer, sabe. Eu tô chocada com isso que aconteceu”, afirmou Gisele Pereira dos Santos.

Gisele tem 37 anos e sete filhos. A bebê é a mais nova e, eventualmente, fica aos cuidados da irmã de 12 anos, que também aparece no vídeo, junto com a prima. No momento da gravação, a mãe havia saído para buscar um dos filhos na casa do ex-companheiro. “Eu não tive culpa de nada, eu não vi o que aconteceu, minha cunhada não viu o que aconteceu. Isso aí ocorreu sem a gente estar presente. Jamais permitiríamos uma coisa dessas.”

O vídeo foi gravado r enviado a um grupo de amigos por uma amiga da prima da bebê. Horas depois, chegaram as ameaças de morte.

A jovem diz que não percebeu que a cena era gravada e fez um apelo para parar de ser julgada. "Todo mundo erra. Tô recebendo ameaças de gente falando que vai me matar, que vem atrás de mim, que vai bater na minha mãe”, afirma Ludmila. “O que fiz não foi certo. Ela é uma criança ainda e isso não se faz".

Em conversa com a tia, mãe da bebê, Ludmila afirmou: "Eu me arrependo profundamente, foi uma brincadeira, foi de impulso. Eu não sabia que ia causar o que causou, colocar nossa família em risco”. A mulher aceitou o pedido de desculpas da sobrinha. “Ela agiu com impulso e ela tá admitindo o erro que ela fez”, disse Gisele. “Isso não vai se repetir, não vai. As meninas estão arrependidas. Fizeram uma brincadeira de mau gosto e não sabiam que ia dar nisso tudo”, completou, chorando.

Últimas