São Paulo Defesa aponta 'equívoco' após prisão do presidente do São Caetano em megaoperação em SP

Defesa aponta 'equívoco' após prisão do presidente do São Caetano em megaoperação em SP

Manoel Sabino Neto é suspeito de ser chefe de uma organização criminosa que mantém comércio popular ilegal na região do Brás

  • São Paulo | Do R7

Armamento e dinheiro foram apreendidos durante Operação Hades

Armamento e dinheiro foram apreendidos durante Operação Hades

Divulgação

A defesa do presidente da Associação Desportiva São Caetano, Manoel Sabino Neto, emitiu uma nota oficial, nesta segunda-feira (23), em que aponta um "equívoco" na prisão do cartola durante uma megaoperação da Polícia Civil de São Paulo contra o comércio irregular e a lavagem de dinheiro na região do Brás, centro da capital paulista.

"A operação é direcionada aos comerciantes que atuam "nas ruas" do Brás, e Sabino atua exclusivamente com comerciantes que atuam dentro do Shopping Circuito das Compras, estes todos regulares e representados pela Acircom [Associação de Comerciantes do Circuito das Compras]", afirmou o advogado Fabio Tumes (leia a nota na íntegra ao fim da reportagem). A associação, porém, negou que Sabino seja funcionário (leia comunicado abaixo).

Mais cedo, a Polícia Civil prendeu o cartola durante o cumprimento de 12 mandados de prisão e 23 de busca e apreensão na Operação Hades. Ele é suspeito de ser o chefe de uma organização criminosa que atua junto ao comércio ambulante ilegal e à lavagem de dinheiro.

O mandado foi cumprido no condomínio Alphaville Residencial 11, localizado na avenida Yojiro Takaoka, em Barueri, região metropolitana de São Paulo.

Em nota, o São Caetano Futebol também se pronunciou e disse que a operação da Polícia Civil "não tem nenhuma ligação com o clube" e que acredita "que tudo será esclarecido nas próximas horas" (leia o comunicado abaixo).

Entenda o caso

Além de o chefe de uma organização criminosa ter sido preso, outros dois homens foram detidos durante a operação. A polícia encontrou e apreendeu, no apartamento de um dos suspeitos, diversos objetos de valor, como relógios e documentos, segundo o delegado responsável pela operação.

As equipes da 1ª Delegacia Seccional deflagraram a Operação Hades após um trabalho de inteligência e investigação realizado durante dez meses pelas equipes do 12° Distrito Policial, do Pari, no centro de São Paulo.

Desde as 4h da madrugada, são cumpridos 12 mandados de prisão e 23 de busca e apreensão, com a participação de 40 policiais civis da 1ª Seccional e de 20 viaturas, até mesmo descaracterizadas.

A ação pretende reprimir uma organização criminosa que atua na região central de São Paulo e mantém o comércio popular ilegal ao explorar espaço físico e público, vendendo o mesmo a pessoas que querem participar da Feirinha da Madrugada.

Eles fornecem segurança armada e máquinas de cartão de crédito e débito, que são destinadas à prática de crimes como lavagem de dinheiro, faturando R$ 1 milhão por mês, segundo o delegado Roberto Monteiro.

Leia a nota oficial da defesa de Manoel Sabino Neto:

"Trata-se de um grande equívoco.

Estão associando o Sr. Sabino, presidente da Acircom, aos comerciantes de rua da Feira da Madrugada, no Brás. A operação é direcionada aos comerciantes que atuam "nas ruas" do Brás, e Sabino atua exclusivamente com comerciantes que atuam dentro do Shopping Circuito das Compras, estes todos regulares e representados pela Acircom.

Houve extremo excesso e precipitação quanto à forma de cumprimento e quanto ao envolvimento de meu cliente. Meras especulações não podem servir para enxovalhar a imagem de uma pessoa, tal qual o caso em comento, onde até um clube de futebol foi envolvido, sem ter absolutamente nenhum envolvimento.

Com o desdobramento das investigações e averiguações por parte da polícia, esperamos que esse episódio seja resolvido de forma sóbria."

Leia o comunicado oficial do clube de futebol São Caetano:

"NOTA SÃO CAETANO FUTEBOL  SOBRE OPERAÇÃO HADES:

O São Caetano Futebol vem por meio deste se manifestar que a operação realizada pela Polícia Civil na manhã de hoje não tem nenhuma ligação com o clube de futebol e que, segundo os advogados do presidente Sabino, trata-se de uma ação contra irregularidades na feira de rua do Brás, e não do Circuito de Compras, onde ele é um dos responsáveis.

Acreditamos que tudo será esclarecido nas próximas horas."

Leia a nota oficial da associação Circuito de Compras de SP:

"NOTA OFICIAL

O Circuito de Compras de SP, administrador da conhecida Feira da Madrugada, vem esclarecer que Manoel Sabino não faz parte do quadro de colaboradores da empresa como vem sendo divulgado pela imprensa nos últimos dias e também não é e nem nunca foi gestor ou responsável pelo Circuito de Compras.

Embora algumas matérias jornalísticas estejam, equivocadamente, relacionando Manoel Sabino ao Circuito de Compras, não há qualquer vínculo de qualquer natureza entre a empresa e este senhor mencionado nas matérias.

Sabemos que Manoel Sabino é presidente de uma associação de comerciantes da região do Brás que reproduz o nome do Circuito de Compras, o que pode ter sido a origem do equívoco.

Existem dezenas de associações de lojistas no Brás e todas têm acesso ao nosso projeto, pois o Circuito de Compras preza pela relação direta com os comerciantes do Brás."

Últimas