Escolas estaduais de SP têm horário reduzido e pegam pais de surpresa

Governo afirma que padronizou horário das escolas integrais e nega corte de custos

Pais reclamam da falta de aviso sobre redução do horário da aula

Pais reclamam da falta de aviso sobre redução do horário da aula

Google Street View

A doméstica Rosemeire Evaristo de souza, de 43 anos, sai todos os dias, às 5h40, do Jardim Arpoador, na Raposo Tavares, para levar o filho de 10 anos até a Escola Estadual Ceciliano José Ennes, no Itaim Bibi, na zona oeste de SP. Mas a rotina da doméstica e de seu filho foi alterada sem aviso prévio pelo Governo do Estado de São Paulo, que reduziu em uma hora a carga horária do período integral.

Foi em uma reunião comunitária, no primeiro dia do ano letivo, nesta segunda-feira (15), no pátio da escola, que a diretoria comunicou para mais de 60 pais que o horário de funcionamento da unidade passaria das 7h às 16h para 7h30 às 15h30. Além disso, a diretora da unidade afirmou que não teve tempo de avisar os pais, porque a alteração foi feita na semana do Carnaval, período que a maior parte dos funcionários estava de férias.

— Fiquei sem chão. Como eu vou falar para minha patroa que tenho que sair mais cedo do trabalho? Serão 20 horas a menos por mês que terei que trabalhar. Eu sou a provedora do meu lar. Não consigo acreditar que fizeram isso sem ao menos nos avisar. Quando perguntamos o motivo da mudança fomos informados que o governo quer reduzir gastos. É um descaso.

Outra mãe que foi pega de surpresa foi a doméstica Januária Silva de Jesus, de 40 anos, de Pinheiros, na zona oeste de SP. Sua filha está na 5ª série da Escola Estadual Alfredo Bresser, que fica no mesmo bairro. Januária soube, por intermédio de uma amiga, na semana passada, que o horário da escola seria alterado.

— Uma amiga passou na escola para perguntar sobre o início da aulas e lá ela soube da mudança de horário e me contou. Eu não acreditei. Então na segunda-feira nos chamaram no pátio e disseram que o horário não seria mais o mesmo. Foi péssimo. Não tem um pai que está satisfeito, principalmente com a falta de respeito do governador. O Alckmin deveria ter mais respeito com a gente. Eles mudam o que querem e na hora que querem. Não respeitam ninguém.

Estado confirma alterações nos horários e nega motivações econômicas

"A Diretoria Regional de Ensino esclarece que a medida não tem qualquer caráter econômico e visa a compatibilização das matrizes curriculares nas escolas que oferecem o projeto escola de tempo integral. Com isso, a jornada passou a ser de 40 horas semanais em todas as unidades do estado.

O núcleo básico será mantido e os alunos serão contemplados com matérias diversificadas. Para os alunos do 1º ao 5º ano, a parte diversificada é composta pelo componente curricular educação socioemocional, por exemplo. As direções das escolas foram orientadas a notificarem os pais a respeito das mudanças. Em 2016, serão atendidos 160 mil estudantes e 12 mil professores em 532 unidades, das quais 39 inauguradas este ano."