São Paulo Família acusa PM de matar jovem de 18 anos na zona norte de SP

Família acusa PM de matar jovem de 18 anos na zona norte de SP

Vítima, identificada como Leonardo Fernandes, é suspeito de ter roubado um celular pouco antes de ser encontrado morto

  • São Paulo | Isabelle Gandolphi, da Agência Record

PM afirma ter encontrado o jovem sem vida na rua Coronel Meira de Castro

PM afirma ter encontrado o jovem sem vida na rua Coronel Meira de Castro

Reprodução/Record TV - 21.03.2022

Uma família acusa a Polícia Militar de balear e matar um jovem de 18 anos na Freguesia do Ó, zona norte de São Paulo, no início da manhã desta segunda-feira (21). A vítima, Leonardo Fernandes Rodrigues, foi encontrado sem vida com disparos nas costas e na testa.

A tia do jovem disse à Record TV que o sobrinho teria ido a uma festa com um amigo e que, na volta, eles teriam parado para abastecer. Quando seguiam para a casa, foram abordados pela PM. O condutor e proprietário da motocicleta, que era nova, não possuía CNH (Carteira Nacional de Habilitação), por isso não parou quando recebeu o sinal, o que deu início ao acompanhamento.

Durante a perseguição, a PM atirou contra os jovens e atingiu as costas de Leonardo, que caiu da moto. O amigo da vítima continuou fugindo, com medo de ser baleado também. A família afirmou que, quando Leonardo estava no chão e ferido, os agentes atiraram novamente, atingindo a testa do garoto. A morte foi constatada no local. A família busca o colega de Leonardo para que ele também preste depoimento na delegacia.

A mulher afirma ainda que o jovem trabalhava em um lava-rápido e que ele nunca teve problemas ou confusão com ninguém. Além disso, alegou que as cápsulas dos disparos foram recolhidas e as câmeras de segurança da rua, viradas. A Polícia Civil pediu acesso às imagens.

Na versão da PM, os agentes teriam encontrado o jovem sem vida após receberem acionamento para uma ocorrência de disparo de arma de fogo, na rua Coronel Meira de Castro, por volta das 4h55.

O caso foi registrado como homicídio no 13° Distrito Policial da Casa Verde, e foi solicitado assessoramento ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Leonardo é suspeito de ter roubado um celular pouco antes de morrer

Uma vítima disse que saía para trabalhar, por volta das 4h45, quando foi abordada por dois suspeitos em uma motocicleta, no cruzamento das ruas Parapuã e Doutor Ernesto Maietta, no mesmo bairro.

Em entrevista à Record TV, a mulher afirmou que não viu se eles estavam armados, mas que pediram seu celular já desbloqueado. Assustada e nervosa, a vítima esqueceu a senha do aparelho.

Ela disse que o ocupante da garupa desembarcou da moto para cometer o assalto. Ela descreveu o suspeito como um homem magro, moreno, vestindo moletom azul, com touca e sem capacete. Ele teria pedido, também, a mochila, mas ela não a entregou.

O motorista continuou sobre o veículo, com o farol aceso e virado para seu rosto, por isso a vítima não conseguiu ver nenhuma característica sua. Após o roubo, a mulher rastreou o celular em uma rua próxima ao local do ocorrido. Ela acionou a PM e informou a localização do aparelho.

Cerca de 15 minutos depois, um familiar entrou em contato com ela, dizendo que seu celular havia sido recuperado e que estava no 13° DP (Casa Verde), onde ela deveria buscá-lo.

A vítima disse que não se lembrava do nome da rua que informou à PM, mas o local em que Leonardo morreu e o do roubo do celular ficavam cerca de 2 km distantes um do outro.

Ela também não informou se foi solicitado reconhecimento de Leonardo, apenas que a PM afirmou que as características passadas por ela batiam com a do suspeito com quem o aparelho foi localizado.

Últimas