São Paulo Família morta: diretora da escola onde Marcelo estudava é hostilizada na internet

Família morta: diretora da escola onde Marcelo estudava é hostilizada na internet

Ela foi criticada no Facebook por ter dito que menino apresentou comportamento estranho

  • São Paulo | Do R7

Internautas criticam contradição da diretora em depoimento

Internautas criticam contradição da diretora em depoimento

Montagem/Reprodução/Facebook

O depoimento da diretora do colégio Stella Rodrigues, onde estudava Marcelo Eduardo Pesseghini, de 13 anos, — suspeito de matar os pais, a avó e a tia avó e de se suicidar — revoltou algumas pessoas. Logo após os crimes, a escola divulgou uma nota dizendo que “não houve indício que anunciasse nenhuma tragédia” e ainda que o menino se comportou “normalmente, como sempre”, no dia em que os corpos foram encontrados, na Vila Brasilândia, zona norte de São Paulo.

Porém, na quinta-feira (15), segundo fontes da Rede Record, em depoimento no DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), a diretora afirmou que o adolescente passou a ter um comportamento “estranho” desde abril. Segundo ela, ele teria ficado mais “fechado”.

Polícia diz que Marcelo convidou amigo para participar de assassinatos

Caso Pesseghini: em nota, diretora de escola afirma que não se contradisse em depoimento à polícia

Em uma página do colégio Stella Rodrigues no Facebook, Tricia Stoianov cobrava respostas. “Senhora diretora, que coisa feia. No começo das investigações a senhora informou à imprensa através de uma cara que Marcelinho era um garoto dócil e quando a mãe foi efetuar a matrícula disse: ‘estou te entregando o meu bem mais precioso’. Palavras da senhora diretora. Por que a senhora mudou de opinião? Foi manipulada? Fale a verdade, senhora diretora, doa a quem doer”, escreveu ela. “Me sinto enjoada com a sua atitude”, completa.

Marisa Di Nisio manifestou indignação com a mudança de versão da diretora.

— É muito estranho como o perfil do Marcelinho, antes dito tão dócil, sociável, bom aluno, está mudando. Agora, ele aparece com o comportamento estranho desde abril e só falando que queria ser matador de aluguel e criar um grupo de mercenários com os colegas... Se isso é verdade, por que não foi falado logo no dia seguinte aos fatos? Estavam esperando o quê? Por que mudaram o perfil dele? Essa escola não se pronuncia de maneira clara, se esconde e não vem a público contar toda a verdade. Nem tampouco os pais desses amigos do garoto. Por que se escondem? Acho isso uma covardia!

“Diretora, você é uma v... Agora vem falar mal do menino. Até há pouco ele era o melhor”, desabafou Marcia Patussi. 

Família de policiais militares é encontrada morta e filho é suspeito. Entenda o caso

Mistérios e dúvidas ainda cercam chacina de família de PMs

Últimas