Governo de São Paulo aumenta em quase 13% salários dos professores

Investimento será de R$ 590,6 milhões ao ano e o pagamento estará disponível a partir de março. No total, 260.142 docentes serão beneficiados

Governo de SP aumenta em quase 13% salários de professores do estado

Profissionais passarão a receber uma remuneração que atende ao piso nacional

Profissionais passarão a receber uma remuneração que atende ao piso nacional

Agência Brasil

O governo do estado de São Paulo confirmou, nesta sexta-feira (21), o aumento de 12,84% nos salários dos professores da rede estadual. O investimento, anunciado pelo governador João Doria e o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, será de R$ 590,6 milhões ao ano e o pagamento estará disponível a partir de março.

Com o pagamento do abono salarial, os profissionais passarão a receber uma remuneração que atende ao piso nacional para professores da educação básica estabelecido pela Lei do Piso (Lei nº 11.738/2008).

Leia também: Cidade paulista recebe recursos para investir em educação

Os professores da categoria chamada PEB I (lecionam para os alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental), que trabalham 40 horas semanais, sairão de uma remuneração mensal de R$ 2.577,74 para R$ 2.886,24, valor do piso salarial.

Já o salário dos docentes da categoria PEB II (atendem alunos dos anos finais do ensino fundamental e ensino médio) saltará de R$ 2.585,01 para os mesmos R$ 2.886,24.

No total, 260.142 docentes ativos e inativos serão beneficiados. “O professor é peça fundamental no processo de aprendizagem. Estamos empenhados em valorizá-lo cada vez mais”, destaca o secretário de educação do Estado de SP, Rossieli Soares.

Leia também: Justiça decreta prisão preventiva de professor preso por pedofilia em SP

Reestruturação da carreira

Um plano de reestruturação da carreira docente, apresentado pelo governo de São Paulo em novembro do ano passado, prevê um salário inicial de R$ 3,5 mil para professores que trabalham 40 horas semanais.

O investimento previsto pela gestão para executar a modernização da carreira ultrapassa R$ 4 bilhões na folha de pagamento até 2022. O programa quer valorizar e formar os professores da rede, além de atrair novos talentos para a carreira. O projeto ainda precisa ser encaminhado à Assembleia Legislativa de São Paulo.

O documento estipula ainda que em 2022, um docente com a mesma carga horária terá salário inicial de R$ 4 mil, um aumento de 54,7% em relação ao salário base inicial da carreira.

No topo da carreira, o professor poderá chegar a um salário de R$ 11 mil. Com a reestruturação de carreira proposta, professores com mestrado e doutorado serão valorizados e terão acréscimo salarial de 5% e 10%, respectivamente.