São Paulo Homem é morto pela PM e família afirma que ele não era criminoso

Homem é morto pela PM e família afirma que ele não era criminoso

Suspeito estava em moto adulterada, não tinha habilitação e não atendeu ordem de parada. Ele foi baleado um dia após aniversário

  • São Paulo | Vania Souza e Rodrigo Balbino, da Agência Record

Caique Gabriel, de 22 anos, foi baleado pela Polícia Militar e morreu após resistir a uma abordagem na noite deste domingo (14) na rua Padre de Olinda Riciotti, na Vila Menck, em Osasco, na Grande São Paulo. No entanto, a família do jovem afirma que ele era trabalhador.

Uma equipe da PM fazia operação contra aglomerações na região, quando viu o suspeito conduzindo uma motocicleta Honda, de cor vermelha, em alta velocidade. Um dos policiais teria dado ordem de parada ao homem, que não obedeceu e teria tentado atropelar o militar.

Segundo a polícia, a equipe realizou a intervenção e atingiu o suspeito. A moto tinha a placa adulterada com uma fita adesiva e o homem não tinha habilitação.

Caique Gabriel foi morto um dia após aniversário de 22 anos em Osasco

Caique Gabriel foi morto um dia após aniversário de 22 anos em Osasco

Reprodução / Record TV

Com ele, os policiais teriam apreendido um revólver calibre .32. O Samu foi acionado e constatou o óbito no local.

O caso foi registrado como morte decorrente de intervenção policial, porte ilegal de arma de fogo, dirigir sem permissão ou habilitação e localização/apreensão de veículo pelo 10º DP de Osasco.

Outra versão

Familiares e amigos contestam a versão da polícia. Eles afirmam que Caique não era criminoso, mas sim um trabalhador.

Um vídeo gravado logo depois dos disparos mostra que a polícia usou escudos para impedir que as pessoas avançassem contra os PMs. Segundo moradores, a Força Tática usou spray de pimenta contra eles.

Caique foi morto um dia depois de completar 22 anos. A Polícia Civil investiga o caso.

Últimas