São Paulo Investigação indica que mãe tentou proteger filho de disparos

Investigação indica que mãe tentou proteger filho de disparos

Depois dos tiros, o suspeito fugiu e não foi localizado; a principal hipótese investigada é de que se trata de uma execução

  • São Paulo | Nayara Paiva, da Agência Record

Matheus de Souza Lima, de 28 anos, e Margareth Fátima de Souza, de 52

Matheus de Souza Lima, de 28 anos, e Margareth Fátima de Souza, de 52

Reprodução/Record TV

As investigações apontam que Margareth Fátima de Souza, de 52 anos, apresentava marcas de balas nas mãos, o que indica que ela tentou defender a si e ao filho durante um tiroteio no dia 11 de abril na rua Veratro, no bairro de São Lucas, na zona leste de São Paulo. A informação foi confirmada pela diretora do DHPP (Departamento de Homicídios de Proteção à Pessoa), Ivalda Aleixo.

Uma câmera de segurança registrou o momento em que o atirador estaciona uma moto em um lado da rua e caminha até o outro, onde estava o Jeep Renegade ocupado por Margareth e Matheus de Souza Lima, de 28 anos.

A delegada também afirmou que a mulher levantou as mãos quando percebeu a arma do suspeito, mas foi atingida por dez disparos. Matheus saiu do carro depois dos primeiros tiros, mas ainda não é possível saber se ele queria se esconder para tentar se proteger ou desarmar o criminoso.

De acordo com a delegada, as investigações também mostram, até o momento, que o alvo era Matheus. Os investigadores continuam a buscar possíveis suspeitos, ouvindo os depoimentos dos familiares e de outras pessoas importantes para o caso.

O atirador deu a volta no veículo para encontrar o jovem e disparar novamente quando ele já estava caído. Segundo Aleixo, as duas vítimas não têm nenhum indício de relação com o mundo criminoso.

A delegada afirmou que a Polícia Civil procura por câmeras de segurança que tenham registrado o caminho feito pelo atirador e o momento em que ele passou a acompanhar o veículo das vítimas.

Ela explicou também que a principal hipótese investigada é de que se trata de uma execução; portanto, é essencial chegar ao criminoso para conseguir identificar quem foi o mandante do crime.

Últimas