Cracolândia

São Paulo Justiça de SP absolve Gatinha da Cracolândia de uma das acusações de tráfico

Justiça de SP absolve Gatinha da Cracolândia de uma das acusações de tráfico

Decisão determinou a soltura da jovem mas ela continuará presa porque ainda responde a outros dois processos judiciais

  • São Paulo | Mariana Rosetti, da Agência Record

Suspeita negou que tenha direcionado policiais a uma mochila com suas drogas

Suspeita negou que tenha direcionado policiais a uma mochila com suas drogas

Reprodução/Record TV

A Justiça de São Paulo absolveu Lorraine Cutier Bauer Romeiro, de 19 anos, a Gatinha da Cracolândia, de uma das acusações de tráfico de drogas. A decisão foi do juiz Gerdinaldo Quichaba Costa, da 13ª Vara Criminal (Barra Funda), de 23 de fevereiro, por insuficiência de prova. Lorraine ainda responde a outro processo de tráfico e um de associação criminosa.

O principal ponto analisado do documento é o encontro de uma mochila com drogas na Cracolândia quando Lorraine foi presa, em 22 de julho de 2021. Os policiais dizem que, ao ser detida na casa do namorado, a acusada indicou o endereço onde estava a mochila.

Em 19 de novembro de 2021, durante audiência, Lorraine contou que jamais indicou à Polícia Civil o lugar onde as drogas foram localizadas, em um hotel na rua Helvétia, na Cracolândia. Ela ainda denunciou outras irregularidades durante a prisão.

No documento, o juiz cita que é "curioso o fato de que, numa operação policial que tem por objetivo cumprir mandado de prisão temporária envolvendo uma mulher, nenhuma mulher policial tenha sido convocada para participar da operação".

E ressalta que "haveria necessidade da presença de policial feminina não somente para o ato da prisão como para acompanhar todo o trajeto até a Delegacia de Polícia".

Ainda segundo Costa, "tudo isso gera muita dúvida sobre o que de fato aconteceu naquela ocasião. Em situações dessa natureza, o caminho mais razoável é a absolvição por insuficiência de prova".

O magistrado determinou a soltura da jovem, mas, como ela responde a outros dois processos, permanecerá presa. Desde 27 de agosto de 2021, Lorraine está no Centro de Detenção Provisória Feminino de Franco da Rocha, na região metropolitana de São Paulo.

A Polícia Civil prendeu Lorraine Cutier Bauer Romeiro em julho de 2021. O mandado de prisão temporária foi cumprido no município de Barueri, na Grande São Paulo, como parte da segunda fase da Operação Caronte. Os investigadores encontraram a mulher na casa de seu companheiro.

De acordo com o delegado Roberto Monteiro, da Delegacia Seccional do Centro, Lorraine estava em prisão domiciliar. O benefício tinha sido concedido porque ela possui uma filha pequena, com menos de 1 ano.

Entretanto, hoje a Gatinha da Cracolândia foi capturada em um endereço que não havia sido divulgado antecipadamente à Justiça. Ela também foi presa em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, segundo o delegado.

Imagens do relatório da Polícia Civil, que a Record TV obteve, revelam que Lorraine foi flagrada na Cracolândia comercializando crack. Nas fotos, ela aparece dentro de uma tenda ao lado do namorado, de prenome André, conhecido como Japonês, que também está preso.

Essas tendas são usadas pelos traficantes para esconder as mesas que vendem todo tipo de entorpecente, além de dificultar o flagrante dos policiais e da própria imprensa.

Há pelo menos quatro meses a Polícia Civil acompanhava as atividades de Lorraine, considerada umas das chefes do tráfico na Cracolândia. Ela costumava ocultar sua identidade, usando casaco e máscara para cobrir o rosto e o longo cabelo loiro.

Durante a prisão, a polícia afirmou que ela admitiu o envolvimento com o tráfico e indicou o local onde armazenava as substâncias. As drogas foram encontradas em um prédio em situação de abandono próximo ao Hotel Avaré, na rua Helvétia, número 168, no centro da capital.

Foram apreendidas 85 porções de maconha, 295 de cocaína, 8 de crack, 97 frascos de lança-perfume e 16 comprimidos de ecstasy, 750 reais, uma balança de precisão, uma faca, um machado, um celular e a bolsa onde estavam os materiais.

Lorraine exibia uma vida luxuosa nas redes sociais, com viagens para Angra dos Reis, carros, motos e lanchas. A traficante tinha mais de 36 mil seguidores em uma conta do Instagram que já está fora do ar.

Últimas