São Paulo Justiça rejeita laudo que pediu para Suzane von Richthofen continuar no regime fechado 

Justiça rejeita laudo que pediu para Suzane von Richthofen continuar no regime fechado 

Juíza considerou que perito não tem neutralidade para fazer a avaliação

Justiça rejeita laudo que pediu para Suzane von Richthofen continuar no regime fechado 

Suzane foi condenada a 39 anos por participação na morte dos pais

Suzane foi condenada a 39 anos por participação na morte dos pais

Sebastião Moreira/18.07.2006/Estadão Conteúdo

O exame criminológico que indicou que Suzane von Richthofen não tem condições de ser transferida para o regime semiaberto foi rejeitado pela Justiça de São Paulo. Em decisão desta segunda-feira (28), a juíza Sueli Zeraik De Oliveira Armani afirma que o psiquiatra que elaborou o laudo não tem isenção para analisar a detenta.

“Tendo se manifestado publicamente sobre o crime e seus agentes, em diversas ocasiões pretéritas, sempre tecendo comentários desabonadores acerca da conduta e, principalmente, do perfil psicológico de Suzane Louise Von Richthofen - que traçou sem sequer entrevista-la uma única vez frise-se - o Sr. Perito judicial demonstrou uma certeza prévia quanto ao objeto da presente postulação”, diz na decisão.

Na análise psicológica, Suzane disse estar "arrependida parcialmente" do crime e ainda revelou que não tem planos para o futuro.

Veja como estão imóveis que foram cenários de tragédias em SP

Leia mais notícias de São Paulo

Condenada a 39 anos de prisão por ter mandado matar os pais em 2002, com o auxílio de Daniel e Cristian Cravinhos, Suzane tenta desde 2009 ir para o regime semiaberto — sistema em que o preso volta apenas para dormir na cadeia. Os irmãos Cravinhos conseguiram a progressão de regime em fevereiro do ano passado.

Em dezembro de 2013, a defesa de Suzane já havia entrado com o pedido de progressão de regime, que foi negado pelo Ministério Público de Taubaté. Suzane cumpre pena na Penitenciária Feminina 1, de Tremembé, também no interior de São Paulo.