São Paulo Manifestantes fazem ato na avenida Paulista em protesto por morte de preso do 8 de Janeiro

Manifestantes fazem ato na avenida Paulista em protesto por morte de preso do 8 de Janeiro

Cleriston Cunha morreu no presídio da Papuda. Ato realizado neste domingo contou com apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro

  • São Paulo | Do R7

Manifestação na avenida Paulista

Manifestação na avenida Paulista

WAGNER ORIGENES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO 26.11.2023

Uma manifestação foi realizada neste domingo (26) na avenida Paulista, em São Paulo, em protesto pela morte de Cleriston Pereira da Cunha, um dos réus pelos atos de 8 de janeiro, em Brasília. A manifestação reuniu apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que não esteve no ato.

Cunha faleceu na manhã de segunda-feira (20), em um pátio da penitenciária da Papuda, em Brasília, durante um banho de sol. Equipes dos Bombeiros tentaram a reanimação cardiorrespiratória, mas sem sucesso.

Os manifestantes se reuniram em frente ao Masp com bandeiras do Brasil e vestindo, em sua maioria, roupas nas cores verde e amarela. Eles carregavam também faixas com críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal) e pedindo contagem de votos.

Ocupando três quadras da Paulista, o grupo fez críticas ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pediu o impeachment do ministro Alexandre de Moraes, relator no Supremo das ações penais dos atos de 8 de janeiro.

Uma faixa presa ao carro de som anunciava o ato "em defesa do estado democrático de direito, dos direitos humanos e em memória de Cleriston Pereira”.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Participaram do evento personalidades da política, como a deputada federal Carla Zambelli (PL) e Marcel van Hattem (Novo).

O ex-presidente Jair Bolsonaro cumprimentou os participantes da manifestação por meio das redes sociais. "O dia de hoje nos traz a memória do Clezão, que vive entre nós, e nos encoraja a lutar cada vez mais por honestidade, patriotismo, verdade e liberdade", afirmou.

Covid

Cunha tinha 46 anos, era residente no DF e estava preso preventivamente desde o dia 8 de janeiro. A família foi notificada da morte, e o corpo foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML). A Polícia Civil afirma que houve perícia no local.

O R7 teve acesso a um parecer da Procuradoria-Geral da República, do dia 1º de setembro, em que foi recomendada a liberdade provisória do réu por ter adquirido comorbidades após contrair Covid-19.

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária do DF afirma que Cunha era acompanhado por equipe multidisciplinar da Unidade Básica de Saúde localizada na própria unidade prisional desde a entrada na unidade, em 9 de janeiro.

Últimas