São Paulo Metroviários de SP decidem por estado de greve e podem parar no dia 6

Metroviários de SP decidem por estado de greve e podem parar no dia 6

Nova reunião está marcada para o dia 5, às 18h30. Se concretizada, a greve afetará as Linhas Azul, Verde, Vermelha e Prata

Agência Estado
Segundo a categoria, o Metrô não tem cumprido com acordo firmado com o Sindicato dos Metroviários

Segundo a categoria, o Metrô não tem cumprido com acordo firmado com o Sindicato dos Metroviários

Reprodução/ Google Street View

Os metroviários de São Paulo decidiram entrar em estado de greve iniciado às 20h da quarta-feira (31) depois de realizarem assembleia. Também ficou acordado que uma possível paralisação pode acontecer na próxima terça-feira (6). Segundo a categoria, o Metrô de São Paulo não tem cumprido com acordo firmado com o Sindicato dos Metroviários em maio deste ano, junto ao TRT (Tribunal Regional do Trabalho).

Entre as ações do estado de greve estão a utilização de adesivo a partir desta quinta-feira (1º) e retirada de uniforme na operação na sexta-feira (2). Nova reunião está marcada para a próxima segunda-feira (5) a partir das 18h30, quando devem ser discutidos os trâmites da possível greve.

"Devido ao não pagamento dos steps [mecanismo de equiparação salarial] a uma parte da categoria, assembleia decretou estado de greve e marcou assembleia para 5 de setembro, com indicativo de greve para o dia seguinte. Vários companheiros e companheiras que têm direito aos steps ficaram sem recebê-los", afirmou o sindicato por meio de nota.

Os metroviários também chamam de "irresponsável" o projeto de retirada de operadores de trem do monotrilho, "para deixá-lo em condições de entregá-lo à iniciativa privada". "A presença OT nos trens é a última camada de segurança que o sistema possui para que não ocorra nenhum incidente e uma possível tragédia", acrescentou a categoria.

Se concretizada, a greve vai afetar as operações nas Linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e monotrilho da Linha 15-prata. Procurado, o Metrô de São Paulo não havia se posicionado sobre o assunto até a publicação desta matéria.

Últimas