São Paulo Moradores fazem protesto após reintegração de posse no ABC

Moradores fazem protesto após reintegração de posse no ABC

Cerca de 130 famílias foram despejadas de terreno no município de São Caetano do Sul, no ABC Paulista, na manhã desta quarta (2)

Famílias deixaram casa após reintegração de posse

Famílias deixaram casa após reintegração de posse

Reprodução

Moradores de São Caetano do Sul, na região do ABC Paulista, protestaram em frente a um Cras (Centro de Referência de Assistência Social) do municípío após aconteceu uma reintegração de posse nesta quarta-feira (2).

De acordo com a Polícia Militar, a corporação foi acionada para uma reintegração de posse de um terreno no bairro Fundação, pouco antes das 7h desta quarta-feira.

Douglas, que é um dos moradores do local, relatou à reportagem que a ação atingiu cerca de 130 famílias. Segundo ele, a Polícia Militar e a Romu (Ronda Ostensiva Municipal) de São Caetano do Sul foram até o local e ordenaram que eles deixassem o terreno até às 12h.

O homem contou que os moradores foram autorizados a pegar apenas os pertences que conseguissem levar naquele momento e, logo após as famílias saírem, uma equipe da Romu, com apoio de cães, ficou no local para impedir que eles tentassem entrar novamente.

Segundo o morador, após serem despejados, todos os moradores atingidos foram até o Cras, que fica na mesma rua do terreno ocupado. Douglas afirmou que os funcionários da instituição avisaram que as portas do local seriam fechadas às 16h e eles teriam que sair.

Ele conta que as famílias não têm para onde ir e pretendem permanecer no local até que a Prefeitura de São Caetano do Sul faça algo para ajudá-los.

O homem afirmou que eles moraram no lugar entre os anos de 1998 e 2019. Devido a um acidente no terreno em 2019, a Prefeitura concedeu um auxílio aluguel para as famílias durante seis meses. Após esse período, todos retornaram para o local e permaneceram lá até a manhã desta quarta-feira.

Ele afirma que tentaram entrar em contato com a Prefeitura diversas vezes, inclusive por intermédio de um advogado, mas que nenhuma resposta foi dada. Douglas afirmou ainda que o terreno pertence a uma construtora particular.

Últimas