São Paulo Motorista de app achada morta em SP fazia corridas noturnas para complementar renda

Motorista de app achada morta em SP fazia corridas noturnas para complementar renda

Corpo de Hortência Dias, de 38 anos, foi encontrado com sinais de violência em estrada de SP. Carro e celular foram levados

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV Rio Preto

Hortência Lourenço Dias, motorista de app morta no interior de SP

Hortência Lourenço Dias, motorista de app morta no interior de SP

Reprodução/Record TV

Uma professora de matemática que atuava também como motorista de aplicativo à noite para complementar a renda foi encontrada morta no começo da manhã de quinta-feira (13), na zona rural de Olímpia, no interior de São Paulo. O corpo de Hortência Lourenço Dias, de 38 anos, foi achado com sinais de violência na cabeça e nas costas.

De acordo com informações, a mulher estava desaparecida desde quarta-feira (12) após fazer uma corrida. Ela parou de responder mensagens de celular por volta das 22h. No dia seguinte, um morador da região da encontrou o corpo da vítima em uma estrada na área rural. Ele chamou a polícia e acionou o Corpo de Bombeiros.

Hortência perferia fazer corridas noturnas por conta da remuneração que obtinha. Além disso, atuava como professora durante o dia. O pai da motorista, que pediu para não ter o nome divulgado, afirma que insistia para que ela não trabalhasse à noite. "Eu sempre falava: Filha, vê quanto assalto tem hoje, é muito periogoso. Mas ela falava que a noite as corridas eram mais sossegadas", diz. 

Na sexta-feira (14), um suspeito foi preso no município de Pirangi e teria confessado o crime, afirmando que chamou a corrida já com o objetivo de roubar o veículo.

A polícia acredita que o assassinato tenha ocorrido em outro local e o corpo tenha sido levado na chamada “Estrada de Campo Alegre”. Como o carro, a carteira e o celular de Hortência foram levados, a polícia trata o caso como latrocínio e diz não haver sinais de estupro. A vítima tinha feridas nas costas e na cabeça. O caso segue sendo investigado.

Últimas