São Paulo Mulher assassinada pelo filho havia pedido medida protetiva contra ele

Mulher assassinada pelo filho havia pedido medida protetiva contra ele

Relação entre os dois era conturbada. Vítima revelou em processo que Rafael, responsável pelos disparos, era usuário de drogas

  • São Paulo | Isabelle Amaral, do R7

Resumindo a Notícia
  • SSP confirmou que a mulher havia pedido medida protetiva contra o filho.

  • Os dois já tinham problemas de relacionamento havia anos; ela já processou o pai dele.

  • O pai do rapaz foi morto há alguns meses, e ele acreditava que a mãe tinha sido a mandante.

  • Ele entrou armado no bar e matou a mulher e o padrasto dele, depois tentou fugir.

Cristina Garrido, de 53 anos, foi alvejada pelo filho

Cristina Garrido, de 53 anos, foi alvejada pelo filho

Reprodução/Redes sociais

Maria Cristina da Silva Garrido, de 53 anos, que foi morta a tiros pelo próprio filho dentro de um bar na zona norte de São Paulo, tinha ido à polícia pedir medida protetiva contra ele, o que comprova que a relação entre os dois já era conturbada. A informação foi confirmada pela SSP (Secretaria de Segurança Pública) ao R7.

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), porém, não confirmou se o pedido foi atendido. "Processos que envolvem medidas protetivas tramitam em segredo de Justiça", informou em nota.

A vítima estava em um bar na Freguesia do Ó acompanhada do então marido, o advogado Vinícius Retek, quando o filho dela, Rafael Garrido, apareceu e atirou contra Maria Cristina. O advogado tentou fugir, mas foi perseguido pelo enteado e alvejado já na porta do bar.

Em consulta ao site do TJ, a reportagem descobriu que a mulher já tinha problemas de relacionamento com o filho desde 2016, quando ela processou o ex-marido, pai de Rafael, por ameaça. A mulher informou no processo que o filho era usuário de drogas.

Conhecidos do casal afirmam que a foto postada por Maria Cristina, com a localização de onde estava, pode ter ajudado o filho a encontrá-la e cometer o crime.

Após os dois assassinatos, Rafael tentou fugir, mas foi encontrado cerca de quatro horas depois pela polícia.

Motivação do crime

O casal havia saído para se divertir, mas os dois acabaram mortos a tiros. Rafael atirou primeiro contra a mãe. O advogado chegou a tentar fugir, mas foi seguido pelo enteado e executado. Imagens de câmeras de segurança do estabelecimento registraram a ação. — Veja o vídeo abaixo.

De acordo com os agentes que atenderam à ocorrência, Rafael teria matado a mãe porque ela seria a suposta mandante do assassinato do pai dele, há alguns meses. Além disso, a mulher estaria lutando para conseguir a herança do ex-marido.

Depois de capturado, o homem foi levado ao 72º DP (Vila Penteado), também na zona norte de São Paulo, e indiciado por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e sem possibilidade de defesa das vítimas.

Últimas