São Paulo Mulheres promovem ato por jovem assassinada em São Sebastião (SP)

Mulheres promovem ato por jovem assassinada em São Sebastião (SP)

Grupo de surfistas da praia de Maresias homenageou a estudante Julia Rosenberg, de 21 anos, e protestou contra a violência de gênero

  • São Paulo | Gabriel Croquer*, do R7, com informações da Record TV

Ato realizado na manhã desta quarta-feira (8), na praia de Maresias

Ato realizado na manhã desta quarta-feira (8), na praia de Maresias

Reprodução/ Record TV

Um grupo liderado por mulheres realizou, nesta quarta-feira (8), um ato em homenagem à estudante Julia Rosenberg, de 21 anos, que foi assassinada no último domingo (7), enquanto caminhava em uma trilha da praia de Paúba, São Sebastião, litoral de São Paulo. O grupo se reuniu na praia de Maresias, próximo ao local onde Julia morreu, para protestar contra a violência de gênero e homenagear a vida da estudante. 

Leia mais: Polícia acredita que universitária foi morta ao tentar evitar estupro

O ato pela jovem começou às 10h desta quarta-feira (8), na Praça do Surf, seguindo recomendações de distanciamento e do uso de máscaras e álcool em gel para evitar o contágio pelo coronavírus.

"Vamos por meio desta [manifestação] tentar formalizar um manifesto sobre o 'direito de ir e vir' das mulheres, sobre direitos humanos. E fazer isso circular pelos 'quatro ventos' do litoral , do estado, do país, etc", explicou sobre o ato o coletivo Salty Sisters, em suas redes sociais.

O grupo também fez uma cerimônia tradicional do surfe, conhecida como "Paddle Out", onde surfistas vão até o fundo do mar com suas pranchas e se reúnem em um círculo para a homenagem.

Ver essa foto no Instagram

Salty Sisters homenageia a jovem que faleceu e mobiliza a comunidade em torno do debate sobre feminicídio e questões do gênero. . Estaremos fazendo um Paddle Out em homenagem à Júlia, nesta quarta-feira em Maresias as 10:00hs na frente da Praça do Surf. Essa mobilização será também on-line para unir mulheres e expressar nosso sentimento de indignação e luta por respeito. Será uma linda homenagem a esta jovem mas sobretudo uma ação de conscientizaçao de cuidados que as mulheres precisam tomar. . Essa história é *muito, muito, muito triste*. Imaginamos a dor que a família está sentindo. O que aconteceu com ela, poderia ter acontecido com qualquer uma de nós. Infelizmente a cada 11 minutos uma mulher é violentada no Brasil. . É triste a condição que a sociedade machista nos impõe, simplesmente pelo fato de "ser mulher". . Mesmo que as "medidas cabíveis" (do ponto de vista de investigação e de trâmite legal/jurídico) sejam tomadas, ainda assim é um impacto enorme para todas as mulheres. . Vamos por meio desta tentar formalizar um manifesto sobre o "direito de ir e vir" das mulheres, sobre direitos humanos. E fazer isso circular pelos "quatro ventos" do litoral , do estado, do país, etc. . Estamos desta maneira apoiando mulheres de todas as idades. Mulheres do surf unidas, juntas somos melhores e mais fortes. Não podemos admitir que isso tipo de coisa aconteça e ficarmos caladas. Divulgando isso podemos contribuir ajudando e informando. Precisamos de respeito e segurança. . O projeto @casasurf que antes da pandemia realizava eventos presenciais de cultura surfe em SP (capital e litoral) retomará suas atividades com o movimento A Casa é Delas, uma das vertentes do projeto que aborda a temática "O Surf e o Feminino". Os encontros estarão de volta abrindo mais um espaço para conectar mulheres através de trocas de experiências e bate-papos! A 1ª live do canal será nesta quinta-feira dia 09/07 às 20hs no perfil da Casa Surf e a convidada será Virgínia Ferraz @virgferraz representando @saltysisters_ #juliaviveemtodaasmulheres #justicaporjuliarosemberg

Uma publicação compartilhada por Salty Sisters (@saltysisters_) em

Homem é suspeito pelo crime

Segundo a polícia, Julia pode ter morrido após ser abordada por um homem e ter resistido a uma tentativa de estupro. A Polícia Civil conseguiu de três testemunhas identificar algumas características do homem suspeito pela morte da estudante.

 Ele tem cerca de 1,70 m de altura, é pardo e usava uma camisa marrom, com calça da mesma cor e chinelos brancos. Todas as três testemunhas viram o suspeito saindo de uma parte de mata fechada da trilha, com comportamento agitado e estranho.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas

Últimas