São Paulo Ouvidoria suspeita da versão de PMs sobre morte de adolescentes em SP 

Ouvidoria suspeita da versão de PMs sobre morte de adolescentes em SP 

No sábado (6), quatro jovens morreram no Jaguaré. Policiais disseram que houve troca de tiros, mas perícia não comprova versão dos agentes

Três PMs são suspeitos de matar a tiros grupo na zona norte de SP

Três PMs são suspeitos de matar a tiros grupo na zona norte de SP

Reprodução Google Street View

A Ouvidoria da Polícia Militar afirma ter indícios que mostram que os quatro adolescentes mortos na Comunidade do Areião, na zona norte de São Paulo, no sábado (6), não atiraram contra os policiais que realizaram a abordagem policial. No boletim de ocorrência da ação, no entanto, os agentes disseram que houve troca de tiros.

Em entrevista ao R7, o ouvidor geral da Polícia de São Paulo, Benedito Mariano, disse que espera o resultado de um laudo necroscópico, do local e balístico para apontar se a tese é, de fato, a comprovação da realidade.

Em seguida, o documento será entregue para a Corregedoria da PM, que definirá a possível punição dos policiais — no momento, os agentes Moises de Souza, Carlos Eduardo Teodoro Bezerra e Gilmar Pereira da Costa estão afastados administrativamente.

Após briga, PM é suspeito de matar caminhoneiro em São Paulo

“Os indícios que estamos trabalhando, e que quero comprovar até esta sexta-feira (12), é de que houve intervenção policial sem confronto armado”, afirmou o ouvidor. 

A morte dos adolescentes ocorreu no sábado (6), após a suspeita de terem roubado um veículo. De acordo com informações da investigação policial, os PMs foram notificados do roubo de um carro, modelo Ford Focus. Por volta de 19h40, avistaram o grupo e iniciaram a perseguição policial.

Houve o acompanhamento até uma viela que dá acesso a comunidade do Areião. Lá, os cinco suspeitos teriam iniciado um confronto armado contra os policiais, registrou o boletim de ocorrência. “Naquele momento, os policiais não revidaram”, apontaram os próprios agentes de segurança.

MP-SP denuncia três suspeitos por matar e torturar PM Juliane

Momentos depois, durante perícia no local do crime, foi constatado que a viatura policial (prefixo M-23023) não apresentava nenhum dano. O carro roubado, por sua vez, “ostentava perfurações provocadas pelo embate de projéteis de arma de fogo.”

Duas pessoas morreram no local. Outros dois baleados foram encaminhados para hospitais da região, mas também não resistiram aos ferimentos. Uma menor foi detida. Foram apreendidos revólveres, pistolas e o carro roubado. O caso foi registrado no 91° DP (Vila Leopoldina).

Outro Lado

De acordo com o boletim de ocorrência, nenhum dos três agentes apresentou defesa. No início da tarde desta quarta-feira (10), a reportagem do R7 procurou novamnte o batalhão onde estão lotados os policiais militares, mas não conseguiu falar com os agentes nem com os seus superiores.

Na segunda-feira (8), a reportagem formalizou, por e-mail, um pedido de entrevista com os suspeitos para a Polícia Militar e SSP, no entanto, foi negada.

Você tem alguma denúncia? Envie um e-mail para denuncia@r7.com

Últimas