São Paulo PM morre após cirurgia de lipoaspiração em Santo André (SP)

PM morre após cirurgia de lipoaspiração em Santo André (SP)

Valquíria Teixeira Santos da Silva chegou a ser socorrida em um hospital, mas não resistiu e morreu. Caso será investigado pela Polícia Civil

  • São Paulo | Do R7

Valquíria Teixeira Santos da Silva morreu aos 46 anos

Valquíria Teixeira Santos da Silva morreu aos 46 anos

Reprodução/Record TV

A morte da Policial Militar Valquíria Teixeira Santos da Silva, de 46 anos, na noite da última terça-feira (29), durante uma lipoaspiração abdominal na Clínica Luiz Anchieta, em Santo André, na Grande São Paulo, está sendo investigada pela Polícia Civil de São Paulo.

Segundo o Boletim de Ocorrência, registrado no 2º DP de Santo André, após o procedimento a policial teria tido um mal-estar provocando falta de ar. Ela foi encaminhada para o Hospital Bartira, onde faleceu às 20h35. A mulher foi enterrada na quarta-feira (30).

Em nota, a PM lamentou a morte da policial e afirmou que agora a investigação segue para entender a causa da morte e encontrar culpados.

Gustavo Henrique dos Santos Pereira foi à clínica, acompanhado de duas irmãs e de sua mãe, que deu entrada no centro cirúrgico por volta das 14h40. Ele e uma das irmãs resolveram aguardar no carro, enquanto a outra, contrariando as orientações recebidas, esperou no interior da unidade. Cansada de não ter respostas, por volta das 21h30, ela resolveu invadir a clínica para ter respostas sobre a mãe.

Ainda segundo ele, foi quando a família descobriu que a mãe tinha sido transferida para o hospital Bartira, após complicações na cirurgia.

No hospital, o responsável pela cirurgia se omitiu e não deu explicações à família da PM, de acordo com familiares da vítima. Uma enfermeira explicou que, durante o procedimento, Valquíria teve uma perfuração no pulmão, que se encheu de gordura, causando uma parada cardíaca.

Segundo o Boletim de Ocorrência, após o procedimento, a policial teria tido um mal-estar provocando falta de ar. Ela foi encaminhada para o Hospital Bartira, onde faleceu às 20h35. A mulher foi enterrada na quarta-feira (30).

Outro lado

Segundo o advogado da clínica, Dr. Marcelo Penna, Valquíria já era paciente do local e já havia passado por outros procedimentos ali. Ainda segundo Penna, de acordo com a avaliação médica, tudo leva a crer que a policial teve uma tromboembolia. Porém, apenas os exames necroscópicos irão determinar a causa da morte.

Penna alertou que o risco é alto para esse tipo de cirurgia. O advogado disse ainda que o médico responsável pelo procedimento é André Nishimura, que possui registro na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, assim como no Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo).

O responsável pela clínica é o Luiz Osório Anchieta Neto, também com registro no Cremesp.

Após o registro do Boletim de Ocorrência, a polícia relata que foi até a clínica, após a morte de Valquíria, porém, ela estava fechada. Penna alegou que o local funciona como um "Day Hospital", onde os pacientes realizam os procedimentos pela manhã e recebem alta no final da tarde, ficando a clínica fechada durante toda a noite.

Penna disse ainda que não teve acesso ao boletim de ocorrência e que irá até a delegacia até sexta-feira (2). Os dois médicos citados ainda vão prestar esclarecimentos à polícia.

O advogado, no entanto, não soube informar se o médico que realizou o procedimento é um funcionário da clínica, ou se ele apenas aluga as instalações.

Últimas