São Paulo Polícia Civil fecha confecção clandestina na zona leste de SP

Polícia Civil fecha confecção clandestina na zona leste de SP

Fábrica, que funcionava no Jardim Marília, empregava dez trabalhadores bolivianos tinha em estoque cerca de três mil peças de roupas pirateadas

  • São Paulo | Cesar Sacheto, do R7

Policiais encontraram três mil peças de roupas pirateadas na fábrica clandestina

Policiais encontraram três mil peças de roupas pirateadas na fábrica clandestina

Divulgação/Deic - Polícia Civil-SP

Uma confecção clandestina que funcionava no andar superior de uma residência localizada na rua Arturo Martini, no Jardim Marília, zona leste de São Paulo. foi fechada nesta quinta-feira (7) por equipes do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil de São Paulo). Cerca de três mil peças pirateadas de marcas de grife foram apreendidas.

Leia também: Uso de máscara é obrigatório em SP a partir desta quinta-feira (7)

A ação foi efetuada por policiais da 1ª Delacia DIG (Antipirataria) e da 1ª Delegacia Divecar (Investigações sobre Roubo e Furto de Veículos), após a realização de uma investigação prévia sobre as atividades ilícitas que ocorriam no estabelecimento. Os produtos - moletins, calças e camisetas - foram recolhidos e serão periciados.

O negócio ilegal era comandado por um boliviano, que deverá responder por crime contra o registro de marcas - Art. 190 do Código de Propriedade Industrial. Dez trabalhadores, também de origem boliviana, foram encontrados na fábrica. Todos foram ouvidos e dispensados pelas autoridades policiais.

Em uma avaliação inicial, o delegado Wagner Carrasco, chefe da 1ª Dig do Deic e responsável pela operação policial, não encontrou indícios de trabalho escravo. A exploração laboral é uma das vertentes do tráfico de pessoas.

"Conversamos com o pessoal reservadamente. Por se conhecerem da mesma região da Bolívia, um foi indicando [o trabalho] para o outro. A situação lá é um pouco pior. Vieram para trabalhar, Mas, não vimos nada relacionado a aliciamento ilegal", avaliou o delegado do Deic.

Balanço de apreensões

De acordo com um balanço parcial de operações deflagradas desde o início do ano, a 1ª Dig do Deic apreendeu aproximadamente 120 toneladas de produtos pirateados.

Últimas